Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/25651
Title: Alguns aspectos geoquímicos sobre fosforites da margem continental portuguesa
Author: Gaspar, Luís de Carvalho
Defense Date: 1984
Abstract: Foram estudadas 25 amostras, provenientes da margem continental portuguesa, a oeste do Baixo Alentejo e a sul do Algarve. No seu estudo foram aplicados vários métodos e técnicas: Difracção de RX, fluorescência de RX, absorção atómica, colorimetria, eléctrodo selectivo, fluorimetria e ainda autoradiografias e coloração de lâminas delgadas. Foi possível determinar a composição mineralógica de todas as amostras e a composição química de algumas delas, seleccionadas em função da mineralogia apresentada. Verificou-se a existência da Francolite, (fluorapatite carbonatada) caracterizada pelas razões CO2= 5,5% e de F = 4,3% e ainda pelos conteúdos em CO2= 5,5% e de F = 4,3%. As amostras apresentam valores máximos de P2O 5 e Urânio, respectivamente de 21,5% e 158 ppm. Nalgumas amostras predomina a calcite e noutras a dolomite, como minerais carbonatados. Verificou-se ainda a presença de quartzo e feldspatos, goethite e "ilite" e por vezes glauconite. Algumas domites são estruturalmente desiquilibradas (43/57 moles de MgCO3/ /CaC03). A abundância relativa de alguns elementos maiores reflecte a composição mineralógica, sendo de realçar a distinção entre as amostras com abundante glauconite e aquelas em que a origem do ferro está na goethite ou noutras formas de hidróxidos, bem evidente no diagrama Fe2O3/K2O. Foi feita uma tentativa de interpretação da sequência paragenética das fosforites da margem portuguesa. Em comparação com outras áreas de ocorrência de fosforites revelou-se certa identidade com o norte de Espanha, o Banco das Agulhas e Peru-Chile. As fosforites estudadas poderão estar associadas a áreas de "upwelling" costeiro e ã existência dum mínimo de oxigénio, em águas da vertente continental alentejana. Para esclarecer estes problemas e estabelecer a historia dos processos de fosfatização e consequente evolução paleoclimática, recomenda-se a medição de parâmetros ambientais (por exemplo oxigénio dissolvido) nas águas da vertente continental alentejana e datações radiométricas das fosforites.
URI: http://hdl.handle.net/10773/25651
Appears in Collections:DGeo - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
pac.16.pdf6.51 MBAdobe PDF    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.