Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/9272
Title: Infeção do trato urinário e resistência aos antimicrobianos
Author: Trigo, Silvie Emmanuelle Tiago
Advisor: Domingos, Maria da Conceição
Barroso, Sónia Alexandra Leite Velho Mendo
Keywords: Microbiologia
Aparelho urinário: Infecções
Resistência a antibióticos
Defense Date: 2012
Publisher: Universidade de Aveiro
Abstract: A infeção do trato urinário é considerada a segunda infeção mais frequente nas infeções adquiridas na comunidade. A etiologia microbiana das ITU tem-se mantido mais ou menos constante ao longo do tempo, sendo que membros da família das Enterobacteriaceae, Escherichia coli em particular são os principais microrganismos responsáveis por ITU, no entanto, os patogénicos apresentam atualmente algumas alterações no que respeita às resistências aos antimicrobianos. Deste modo, é imprescindível conhecer as suas resistências de forma a tornar a terapêutica empírica mais rápida e eficaz sem, no entanto, contribuir para aparecimento de novas estirpes resistentes. Com o presente trabalho pretendeu-se identificar quais os microrganismos mais comuns envolvidos nas infeções do trato urinário e os seus perfis de resistência aos antimicrobianos. Foram analisados os resultados de 1582 amostras de urina com pedido de exame bacteriológico, entre os meses de janeiro e dezembro de 2011, realizadas no Laboratório Moderno de Viseu, Lda. As amostras foram analisadas e avaliadas pelo exame direto, cultural a identificação dos microrganismos e das resistências aos antimicrobianos foram efetuadas no sistema miniAPI. De acordo com os resultados obtidos, conclui-se deste estudo que as bactérias responsáveis pelas ITU com maior frequência são Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Proteus mirabilis. A resistência mais significativa das estirpes de Escherichia coli verificou-se relativamente à ampicilina, à ticarcilina, à acetil cefuroxima, o cotrimoxazol e o grupo das quinolonas o que leva a sugerir que estes antimicrobianos não são uma boa escolha para uma terapêutica empírica. Quanto à eleição dos antimicrobianos para o tratamento das ITU, esta deve basear-se sempre que possível nos resultados laboratoriais.
Urinary tract infection is considered to be the second most common infection in community-acquired infections. The microbial etiology of UTI has remained more or less constant over time, with members of the family Enterobacteriaceae, Escherichia coli in particular are the main micro-organisms responsible or UTI, however, currently have some changes in pathogenic with regard to antimicrobial resistance. Thus, it is vital to know your resistances to make empirical therapy more quickly and efficiently without, however, contribute to the emergence of new resistant strains. With this work was intended to identify what the most common microorganisms involved in urinary tract infection and their antimicrobial resistance profiles 1582 results were analyzed urine samples for bacteriological examination, between the months of January and December 2011, which have taken place in Laboratório Moderno de Viseu, Lda. The samples were analyzed and evaluated by direct examination, cultural identification of micro-organisms and antimicrobial resistance in the system have been made miniAPI. According to the results obtained, it is in this way that the bacteria responsible for UTI are most often Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae and Proteus mirabilis. The most significant of resistance strains of Escherichia coli found on the ampicillin, the ticarcilina, the acetyl cefuroxime, given and the Group of the quinolones which leads to suggest that these antimicrobials are not a good choice for empirical therapy. Regarding the election of antimicrobials for treatment of UTI, this shall be based wherever possible in the laboratory results.
Description: Mestrado em Microbiologia
URI: http://hdl.handle.net/10773/9272
Appears in Collections:DBio - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
253752.pdf1.45 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.