Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/31618
Title: 2010 – 2020 the decade of biodiversity: an overview
Other Titles: 2010 – 2020 a década da biodiversidade: uma perspectiva geral
Author: Gonçalves, Ana Bárbara Abreu
Advisor: Pereira, Henrique Miguel
Soares, Amadeu
Keywords: Biodiversity
Conservation targets
Global agenda
Conservation policy
Aichi targets
Biodiversity offsets
Protected areas
Convention of biological diversity
Nagoya protocol
Defense Date: 28-Jun-2021
Abstract: Biodiversity sits at the core of the United Nations Convention on Biological Diversity (UN CBD), an internationally-binding multilateral agreement, which sets the global action-framework on biodiversity-related issues and hence, guides the development of national strategies for the conservation and sustainable use of biological diversity. The convention has two supplementary agreements: the Cartagena Protocol (not covered in this work) and the Nagoya Protocol besides the already mentioned global conservation targets framework, which coordinate international conservation efforts and curb the pace of the current biodiversity crisis. This work looks at how the environmental and conservation movement has grown and gained a seat in the center of the political, scientific and civil society agenda of the century and analyses what gains has biodiversity conservation attained in two decades of global commitments taken for biodiversity conservation. How far have we really got? The Aichi targets are the international conservation targets featured on the Strategic Plan for Biodiversity 2011-2020 of the Convention on Biological Diversity. They unfolded as a SMARTer version of the 2010 Global Biodiversity target, once it was clear the target would not met. Worryingly, the Global Biodiversity Outlook 4 in 2014, had already suggested that most of the Aichi targets would also not be met in 2020. On Chapter IV we assess whether the targets against two groups of characteristics. The first is the SMART framework that asks whether target are specific, measurable, action-oriented, realistic and time-bound. The second, we consider a few other characteristics: semantics, science, socio-economic aspects and time-progressiveness, that we felt allow for a complementary assessment of the SMART categories. In order to assess each of the targets for each of these characteristics, we used the Delphi methodology to ask a group of biodiversity experts to score the targets. Overall, the biodiversity experts that participated in our study did not considered the Aichi targets to be SMARTly designed, with the exception of targets 10 and 14. In this work, in Chapter III, we take a closer look at Aichi target 11, which aims “to secure 17% of the terrestrial surface within protected areas by 2020, making an ecologically representative and well-connected system of protected areas” (PAs). This target also seeks to achieve effective and equitable management for these areas. However, uneven distribution and how IUCN management categories translate on the ground are currently jeopardising protection of biodiversity. Importantly, not all protected areas are equally well protected and reaching target 11 presents different challenges for different countries. We investigated the distribution of the existing IUCN protected area categories against land use for Europe (28-member states) and Brazil and found that in both regions the level of human presence on land use cannot be discounted even for the higher protection IUCN categories. As expected, the proportion of human presence inside protected areas was for all categories higher in the EU than in Brazil, being the difference between them not as significant as anticipated. Both regions have more than double the area of protected areas under sustainable management categories (III-VI) then under strict protection categories (I & II). This is an important discussion in the light that there is a growing movement pushing for up to 50% of the planet´s surface to become assigned under some sort of protection status in the post-2020 Biodiversity Framework. Another idea that has been gaining track is the involvement of the private sector, and the need to account for their contributions towards biodiversity conservation global targets. In Chapter II, the concept of biodiversity offsets. Biodiversity offsets are compensatory mechanisms increasingly used to address ecological impacts resulting from human activities. We review the scientific literature on biodiversity offsets, published between 1999 and 2014. We found that biodiversity offset studies have increased through time. The majority of studies have been carried out in the USA. The development of biodiversity offsets schemes faces conceptual and practical challenges. The conceptual challenges discussed in the literature are: choice of metric, spatial delivery of offsets, equivalence, additionality, timing, longevity, ratios and reversibility. The practical challenges reported in the literature are: compliance, monitoring, transparency and timing of credits release. Amongst these, choice of metric and location are paramount and are related to the multidimensional nature of biodiversity and the values society places on biodiversity. Harmonized metrics such as the Essential Biodiversity Variables (EBVs) help to address these challenges by providing comparability of biodiversity loss and gain amongst locations. Finally, in Chapter V, we look at the implementation of the Nagoya Protocol. The Nagoya Protocol (NP) on Access and Benefitsharing (ABS) is a supplementary agreement to the Convention on Biological Diversity (CBD) and aims to establish guidance to both provider and user countries of genetic resources (GRs), and/or associated traditional knowledge (TK) so that access to those resources happen under fairer and more transparent conditions. Such conditions are to be settled and negotiated by the parties involved. Despite many issues not being addressed in enough detail, or with enough clarity, to assist the parties to NP implementing it at national level and above all ensuring due diligence and compliance at international level, the NP has marked an important step for the protection of biodiversity and the fight against biopiracy. Looking at the status of implementation of the NP, since it´s adoption in the Central American Integration System (SICA) region, as our study region, we hope to not only contribute to a better overview of the status of implementation of the NP worldwide, after four years of it coming into force, but also to fulfil a gap in knowledge concerning the NP in a region for which information is not always easily accessible for international users wanting to comply with the NP.
A biodiversidade está no cerne da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CDB), um acordo multilateral internacionalmente vinculativo, que estabelece o quadro de acção global sobre questões relacionadas com a biodiversidade e, por conseguinte, orienta o desenvolvimento de estratégias nacionais para a conservação e utilização sustentável da diversidade biológica. A convenção tem dois acordos complementares: o Protocolo de Cartagena (não abrangido por este trabalho) e o Protocolo de Nagoya, para além do já mencionado quadro global de objectivos de conservação, que coordena os esforços internacionais de conservação da biodiversidade. Este trabalho analisa a forma como o movimento ambiental e de conservação cresceu e ganhou um lugar no centro da agenda política, científica e da sociedade civil deste século e analisa os ganhos que a conservação da biodiversidade alcançou em duas décadas de compromissos globais para a conservação da biodiversidade. Até onde é que chegámos realmente? As metas de Aichi são as metas internacionais de conservação do Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 da Convenção sobre a Diversidade Biológica. Emergiram como uma versão SMARTer da meta Global Biodiversity 2010, quando esta meta não foi alcançada. Preocupantemente, o Global Biodiversity Outlook 4, já em 2014, sugeria que a maioria das metas de Aichi também não seriam alcançadas em 2020. No Capítulo IV, avaliamos as metas de Aichi em relação a dois grupos de características. O primeiro é o quadro SMART que pergunta se as metas são específicas, mensuráveis, orientadas para a ação, realistas e limitadas no tempo. O segundo, consideramos algumas outras características: semântica, ciência, aspectos socioeconómicos e progressividade temporal, que consideramos permitirem uma avaliação complementar do quadro SMART. A fim de avaliar cada uma das metas para cada uma destas características, utilizámos a metodologia Delphi e pedimos a um grupo de peritos em biodiversidade que pontuasse as metas. No geral, os peritos em biodiversidade que participaram no nosso estudo não consideraram as metas de Aichi SMART, com excepção das metas 10 e 14. Neste trabalho, no capítulo III, analisamos mais de perto a meta 11 de Aichi, que visa "assegurar 17% da superfície terrestre dentro das áreas protegidas até 2020, tornando um sistema de áreas protegidas (AP) ecologicamente representativo e bem interligado". Esta meta procura também alcançar uma gestão eficaz e equitativa das áreas protegidas. Contudo, a distribuição descontinua e a forma como as categorias de gestão da UICN se traduzem no terreno estão atualmente a pôr em risco a proteção da biodiversidade. É importante notar que nem todas as áreas protegidas estão igualmente bem protegidas e a consecução da meta 11 coloca desafios diferentes aos diferentes países. Investigámos a distribuição das actuais categorias de áreas protegidas da IUCN contra o uso do solo na Europa (28 Estados-Membros) e no Brasil e constatámos que, em ambas as regiões, o nível de presença humana no uso do solo não pode ser descontado, mesmo para as categorias de protecção mais elevadas da IUCN. Como previsto, a proporção de presença humana dentro das áreas protegidas era, para todas as categorias, mais elevada na UE do que no Brasil, não sendo a diferença entre elas tão significativa como se tinha anticipado. Ambas as regiões têm mais do dobro da área de áreas protegidas sob categorias de gestão sustentável (III-VI) do que sob categorias de protecção rigorosa (I & II). Esta é uma discussão importante, tendo em conta que existe um movimento crescente no sentido de se atribuir até 50% da superfície do planeta sob algum tipo de estatuto de protecção no âmbito do quadro para a biodiversidade pós-2020. Outra ideia que tem vindo a ganhar terreno é o envolvimento do sector privado e a necessidade de ter em conta os seus contributos para os objectivos globais de conservação da biodiversidade. No Capítulo II, o conceito de compensação da biodiversidade. As compensações em matéria de biodiversidade são mecanismos compensatórios cada vez mais utilizados para abordar os impactos ecológicos resultantes das actividades humanas. Analisamos a literatura científica sobre compensações da biodiversidade, publicada entre 1999 e 2014. Verificámos que os estudos de compensação da biodiversidade têm aumentado ao longo do tempo. A maioria dos estudos foi levada a cabo nos EUA. O desenvolvimento de esquemas de compensação da biodiversidade enfrenta desafios conceptuais e práticos. Os desafios conceptuais discutidos na literatura são: escolha do sistema métrico, entrega espacial das compensações, equivalência, adicionalidade, tempo, longevidade, rácios e reversibilidade. Os desafios práticos referidos na literatura são: cumprimento, monitorização, transparência e calendário da libertação de créditos. Entre estes, a escolha do sistema métrico e da localização é fundamental e está relacionada com a natureza multidimensional da biodiversidade e com os valores que a sociedade atribui à biodiversidade. As métricas harmonizadas, como as Variáveis de Biodiversidade Essencial (VBE), ajudam a enfrentar estes desafios, proporcionando a comparabilidade da perda e ganho de biodiversidade entre locais. Finalmente, no Capítulo V, analisamos a implementação do Protocolo de Nagoya. O Protocolo de Nagoya (NP) sobre Acesso e Partilha de Benefícios (ABS) é um acordo suplementar à Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) e tem por objectivo estabelecer orientações para os países fornecedores e utilizadores dos recursos genéticos (GR) e/ou conhecimentos tradicionais associados (TK), de modo a que o acesso a esses recursos se processe em condições mais justas e transparentes. Tais condições devem ser resolvidas e negociadas pelas partes envolvidas. Apesar de muitas questões não terem sido abordadas com suficiente pormenor ou clareza para ajudar as partes no PN a aplicálas a nível nacional e, sobretudo, a garantir a devida diligência e o cumprimento a nível internacional, o PN constituiu um passo importante para a protecção da biodiversidade e a luta contra a biopirataria. Ao analisarmos o estado de implementação do PN na região do Sistema de Integração Centro-Americano (SICA), como nosso estudo de caso, esperamos não só contribuir para uma melhor visão global do estado de implementação do PN, após quatro anos da sua entrada em vigor, mas também colmatar uma lacuna de conhecimentos sobre o PN numa região para a qual nem sempre a informação é facilmente acessível aos utilizadores internacionais que pretendam cumprir o PN.
URI: http://hdl.handle.net/10773/31618
Appears in Collections:UA - Teses de doutoramento
DBio - Teses de doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Documento_Ana_Gonçalves.pdf1.5 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.