Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/31208
Title: A competência intercultural na formação de professores moçambicanos de língua portuguesa: literatura como instrumento de mediação
Author: Monteiro, Ana Catarina Mateus
Advisor: Araújo e Sá, Maria Helena Almeida Beirão de
Bastos, Mónica Sofia de Almeida
Keywords: Educação intercultural
Competência intercultural
Mediação da literatura
imagens / representações sociais
Formação de professores
Defense Date: 30-Mar-2021
Abstract: Assumindo a importância da educação intercultural, nesta atualidade mutável, indefinida e sempre imprevista, ao mesmo tempo que defendendo, de forma mais específica, que as instituições educativas devem promover o desenvolvimento da competência intercultural, o presente estudo, situado no campo da Didática de Línguas, surge de, face ao caráter multilingue e multicultural da sociedade moçambicana e também à crescente abertura deste país ao mundo, se considerar urgente promover o desenvolvimento dessa competência, em particular ao nível da formação de professores, já que estes terão a responsabilidade de educar os futuros cidadãos moçambicanos. Simultaneamente, o estudo resulta quer da perceção das potencialidades do curso de língua portuguesa, nomeadamente na sua abertura ao contexto mais alargado do mundo dos países da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para o desenvolvimento desta competência, quer de considerarmos importante a produção de conhecimento na área da educação intercultural que permita fornecer sugestões de atividades integradas no currículo de formação inicial de professores que contribuam para a aquisição de conhecimento e competência interculturais e para a melhoria das práticas destes futuros professores. Desenvolvido em Moçambique, mais particularmente na licenciatura em ensino de português na Universidade Pedagógica – Delegação de Nampula (a atual Universidade Rovuma), o trabalho enfoca-se, conceptualmente, na articulação de três eixos estruturais: a competência intercultural, finalidade fundamental na formação de professores; a literatura, tomada enquanto instrumento de mediação, promotor do desenvolvimento dessa competência, em particular das suas dimensões afetiva e cognitiva; e as imagens das línguas e dos povos, que, fixas e em mutação, influem sobre o modo como os sujeitos se relacionam consigo mesmos, com os outros e com o mundo. Metodologicamente, a investigação institui-se como um estudo de caso, de natureza qualitativa, desenvolvido de julho de 2015 a novembro de 2017, valorizando-se uma abordagem holística no processo de compreensão e construção do conhecimento. Alicerçada no paradigma interpretativo-construtivista, procura verificar como é que as diretrizes das políticas/orientações curriculares moçambicanas abordam os princípios da educação intercultural, assim como identificar os indícios de possibilidades de ação e de interpretação do mundo que podemos encontrar nas imagens das línguas e dos povos da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa manifestadas pelos sujeitos, e, ainda, analisar como pode ser trabalhada a competência intercultural na formação inicial de professores de língua portuguesa em Moçambique. O estudo compreendeu três fases consecutivas, englobando noventa e dois professores de língua portuguesa em formação inicial, em cinco disciplinas de que éramos docentes, das quais três principais com o foco na área de literatura (i.e. Literatura Portuguesa e Brasileira, Literaturas Africanas I e Literaturas Africanas II) e duas de apoio ao programa (i.e. Mundo Lusófono e Temas Transversais). Na primeira fase, analisámos, recorrendo à técnica de análise documental, como (e se) as diretrizes das políticas/orientações educativas e curriculares (ao nível da formação inicial de professores na universidade indicada) integram os princípios da educação intercultural. Seguidamente, realizámos o diagnóstico das imagens das línguas e dos povos da CPLP expressas pelos sujeitos do estudo, através de um inquérito por questionário, no sentido de identificar indícios de possibilidades de ação por eles manifestados que pudessem apoiar o trabalho que pretendíamos desenvolver sobre a competência intercultural nesse contexto específico da formação inicial de professores de língua portuguesa. Na terceira e última fase, foi concebido, implementado e avaliado um programa de formação focado no desenvolvimento da competência intercultural neste contexto específico, através da mobilização do texto literário enquanto instrumento de mediação. Nesse sentido, convocando os modelos de competência intercultural nos quais o nosso estudo se fundamenta teoricamente (i.e. Byram, 1997; Deardorff, 2006; Dervin, 2010a; Ting-Toomey & Kurogi, 1998), construímos um referencial de formação estruturado em três eixos, centrados i) nos processos de construção identitária, ii) na identificação e análise de visões estereotipadas e/ou preconceituosas e iii) na assunção de perspetivas etnorrelativas e na adoção de práticas e valores democráticos e humanos. Os dados recolhidos durante a aplicação do programa de formação, resultantes dos portfólios dos formandos e da áudio gravação de aulas, foram analisados com recurso à técnica de análise de conteúdo, partindo quer de categorias estabelecidas a partir dos modelos referidos, quer com recurso à grounded theory. Essa análise visava a identificação de indícios do desenvolvimento da competência intercultural no contexto em estudo desencadeados pelas atividades formativas. Posteriormente, numa fase ulterior à aplicação do programa de formação e com recurso à mesma técnica de análise, foram interpretados e analisados os dados dos focus group, tendo como objetivo a identificação, através das vozes dos formandos, das componentes e caraterísticas do programa de formação mais potenciadoras do desenvolvimento dessa competência. Partindo das constatações preliminares do diagnóstico realizado na segunda fase que apontavam para uma predisposição para a comunicação plurilingue e multicultural e para o desejo de comunicar com outros povos com diferentes backgrounds linguísticos e culturais, os resultados gerais do nosso estudo apontam para o reconhecimento, da parte dos sujeitos, da natureza complexa das identidades e culturas e para a assunção progressiva de perspetivas mais etnorrelativas. Na articulação dos resultados decorrentes das várias fases investigativas, constatámos que os sujeitos trabalharam processos de auto e heteroconhecimento identitário e cultural, relacionando as suas vivências com aquelas da alteridade e potenciando a adoção de perspetivas múltiplas e descentradas. Quanto às potencialidades da literatura, o texto literário assumiu-se como um instrumento profícuo para o aprofundamento do entendimento crítico do mundo por parte dos sujeitos (cf. Abdallah-Pretceille, 2010), promovendo o diálogo entre culturas e o respeito pela diversidade linguístico-cultural, através da criação de um “terceiro-espaço” (cf. Bhabha, 1994; Kramsch, 1993) onde as diferentes culturas coexistem e interagem. É na articulação da mediação da literatura com a promoção de práticas educativas interculturais e sustentadas nestes resultados que realçamos a urgência e o valor da integração da educação intercultural na formação inicial de professores de línguas, procurando libertá-los do fechamento sobre si e o seu grupo, do isolamento e distanciamento da alteridade e da manifestação de perspetivas etnocêntricas. Advogamos a promoção, consequentemente, e em oposição, da assunção de pontos de vista múltiplos, do estabelecimento de um verdadeiro diálogo intercultural, conducente à valorização da diversidade. A integração efetiva da competência intercultural nas práticas educativas poderá passar de uma quimera à concretização se sustentada por uma política educacional de formação de professores que englobe não apenas a promoção da competência intercultural, mas uma educação para a cidadania e os direitos humanos, que integre as diferentes manifestações linguísticas, étnicas e culturais nacionais, assim como a sua relação com as manifestações internacionais, transformando os pedaços de identidades fragmentadas referidas por Ba Ka Khosa (2015) em espaços de interação e pluralidade.
Assuming the importance of intercultural education in this changing, indefinite and always unforeseen present, while arguing more specifically that educational institutions should promote development of intercultural competence, this study in the field of Language Didactics emerges from — taking into account the multilingual and multicultural nature of Mozambican society as well as the increasing openness of this country to the world — the urgent need to promote the development of this competence, in particular at the level of teacher training, as teachers will have the responsibility of educating future Mozambican citizens. At the same time, this study results from both the perception of Portuguese language course’s potential to develop this competence, namely when open to the wider global context of the Community of Portuguese Speaking Countries (CPLP), and the importance of producing knowledge in the area of intercultural education, making it possible to suggest activities as part of the initial teachers’ training curriculum. These activities will contribute to acquire intercultural knowledge and competence, improving the practices of future teachers. Developed in Mozambique, particularly in Pedagogical University (currently Rovuma University) Degree in Portuguese studies, in Nampula, the work conceptually focuses on the combination of three structural axes: intercultural competence, as a fundamental aim in teacher training; literature, as an instrument of mediation promoting development of this competence, particularly its affective and cognitive dimensions; and the still or evolving images of languages and peoples, which influence subjects relationships with themselves, with the others and with the world. Methodologically, the research was put in place as a case study of qualitative nature, developed from July 2015 to November 2017. It values a holistic approach in the process of understanding and building knowledge. Based on the interpretive/ constructivist paradigm, it seeks to verify how Mozambican policies guidelines/ curriculum guidance address principles of intercultural education. It also aims to identify signs of possibilities for action and interpretation of the world found in images of languages and CPLP peoples expressed by the subjects. It also analyses how intercultural competence can be worked on in the initial training of Portuguese language teachers in Mozambique. The study was divided in three consecutive phases, comprising ninety-two Portuguese language teachers attending initial training, in five subjects taught by us. Three main subjects focusing on literature (i.e. Portuguese and Brazilian Literature, African Literatures I and African Literatures II) and two program support subjects (i.e. Lusophone World and Crosscutting Themes). During phase one, using document review technique, we analysed how and whether educational and curricular policies/guidelines integrate principles of intercultural education (at the level of initial teacher training at the mentioned university). We then carried out the diagnosis of languages and CPLP peoples images voiced by the subjects of the study, by means of a survey to identify expressed possibilities of action that could support the work we intended to develop on intercultural competence in the specific context of initial training of Portuguese speaking teachers. During the third and final phase, a training programme focusing on development of intercultural competence in this specific context was designed, implemented and evaluated, mobilising the literary text as a mediation tool. In this sense, by using the models of intercultural competence on which our study is theoretically based (i.e. Byram, 1997; Deardorff, 2006; Dervin, 2010; Ting-Toomey & Kurogi, 1998), we have built a training framework structured along three axes: i) processes of identity construction, ii) identification and analysis of stereotyped and/or prejudiced views, and iii) assumption of ethnorelative perspectives and adoption of democratic and human values and practices. Data collected while implementing the training programme, resulting from trainees’ portfolios and from audio recording of classes, were analysed using the content analysis technique, starting either from categories established from the abovementioned models or using the grounded theory. This analysis aimed at identifying evidence of development of intercultural competence in the context under study triggered by training activities. At a later stage, after the training programme implementation and using the same technique of analysis, focus group data were interpreted and analysed to identify, through the trainees' voices, components and characteristics of the training programme that most potentiate the development of that competence. From the preliminary findings of the diagnosis carried out in the second phase, which pointed to a predisposition towards multilingual and multicultural communication and desire to communicate with other peoples with different linguistic and cultural backgrounds, the general results of our study point to the subjects’ recognition of the complex nature of identities and cultures and the progressive assumption of more ethnorelative perspectives. Combining the results of investigative phases, we found that the subjects worked on processes of identity and cultural self- and hetero-awareness, relating their experiences to those of otherness and fostering the adoption of multiple and decentralised perspectives. As for the potential of literature, the literary text proved to be a proficuous instrument for deepening the subjects' critical understanding of the world (cf. Abdallah-Pretceille, 2010), promoting dialogue between cultures and respect for linguistic and cultural diversity through the creation of a "third space" (cf. Bhabha, 1994; Kramsch, 1993) where different cultures coexist and interact. It is in the articulation of literature mediation with the promotion of intercultural educational practices that we stress the urgency and value of integrating intercultural education into the initial training of language teachers, seeking to free them from closing in on themselves and on their group, from isolation and detachment from alterity and from manifesting ethnocentric perspectives. Consequently, and against it, we argue for promotion of the assumption of multiple viewpoints, establishing a true intercultural dialogue conducive to appreciation of diversity. The effective integration of intercultural competence into educational practices can move from a chimera to reality if supported by an educational policy of teacher training that encompasses not only the promotion of intercultural competence, but an education for citizenship and human rights, integrating the different national linguistic, ethnic and cultural manifestations, as well as their relationship with international manifestations, transforming the fragmented pieces of identity referred to by Ba Ka Khosa (2015) into spaces of interaction and plurality.
URI: http://hdl.handle.net/10773/31208
Appears in Collections:UA - Teses de doutoramento
DEP - Teses de doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Apêndices_Documento_Ana_Monteiro.pdf17.18 MBAdobe PDFView/Open
Documento_Ana_Monteiro.pdf13.56 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.