Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/30414
Title: Diagnosing and managing scenarios of ungulate overabundance in the Iberian Peninsula
Other Titles: Diagnosticar e gerir casos de sobreabundância de ungulados na Península Ibérica
Author: Valente, Ana Margarida dos Santos
Advisor: Fonseca, Carlos Manuel Martins Santos
Torres, Rita Maria Tinoco da Silva
Acevedo Lavandera, Pelayo
Keywords: Red deer
Iberian Peninsula
Density
Methods
Parasites
Socio-ecological
Defense Date: 7-Oct-2020
Abstract: Throughout Europe ungulates have expanded both in number and distribution in the past few decades. Changes in legislation regarding poaching, abandonment of lands and re-naturalization of habitats, decreasing in hunter’s numbers, among others, led to alarming scenarios in wildlife. Despite their benefits (e.g. financial means owing to hunting, eco-tourism, and their role in ecosystems), their impressive recovery turned out in overabundant populations, in some areas. Damages to agriculture, infectious diseases, ungulate-vehicle collisions, damages to vegetation and to ecosystem are amongst the main problems that several countries have to deal with. This thesis aims to give researchers and stakeholders the state of the art on this topic as well as some useful tools to better address this issue, that will be the challenge of the XXI century in which concerns wildlife management. To achieve this, we start by reviewing ungulate overabundance scenarios in Europe, as well as some of their consequences. In order to have a brief preview of the situation, we must have population density/abundance. With that purpose, we then evaluated two different methods (direct method – spotlight counts and indirect method – pellet group counts; both coupled with distance sampling) to monitor red deer (Cervus elaphus), giving also a deep ecological view about the status of three populations of this species in Portugal. This chapter has evidenced spotlight counts as the reference method for red deer in Mediterranean habitats and has also highlighted the need and urgency to take preventive actions concerning ungulate management in Portugal. The need for other ecological indicators in which we can rely on, lead us to the next chapter regarding Elaphostrongylus cervi and its relationship with its host, red deer, in a long-term study with two sites with different management practices in Spain. This study helped us to highlight that at high densities, the losses (e.g. in body condition and immune capacity) become evident independent of the selected management. Moreover, this study emphasized the determinant role of rainfall in the availability of forage and thus on individuals’ performance. Considering that we should view and analyze ecosystems and management as a whole, we then proceed to a socio-ecological study regarding red deer in Portugal, where we assessed people’s perception about these populations through questionnaires. We concluded that general perception is positive, and its negatively related with caused damages (with farmers as the ones with less interest in nature and higher damage perception). Moreover, we found that young and/or more qualified individuals have a greater interest in nature. This guided us to some recommendations, namely preventive actions and mitigation measures, the need for a communication strategy that promotes the acceptance of some unpopular management strategies, and when necessary, having compensatory payments to the affected farmers. Ungulate overabundance should be addressed as an urgent problem for which countries and governments must give quick answers. These answers have undoubtedly to count on researchers to give the appropriate tools to deal with this. This work hopes to be a small contribution to this challenging task.
Nas últimas décadas observou-se uma expansão dos ungulados selvagens na Europa, tanto em número como em distribuição. Entre as principais causas para este aumento estão as alterações na legislação referente ao furtivismo, o êxodo rural e re-naturalização dos habitats, a diminuição do número de caçadores, entre outros. Apesar dos benefícios que este aumento acarreta (benefícios económicos através da caça e do eco-turismo, e o seu papel nos ecossistemas), nalgumas regiões originou casos de sobreabundância. Os danos causados à agricultura, vegetação e ecossistema, a emergência de doenças infeciosas e a colisões com veículos, estão entre os principais problemas aos quais é necessário dar resposta. Esta tese pretende caracterizar a atual situação, bem como fornecer ferramentas para responder ao que será o desafio do século XXI para a gestão da vida selvagem. Para tal, começámos por rever os cenários de sobreabundância de ungulados na Europa e algumas das suas consequências. De modo a perceber o ponto da situação, devemos procurar obter dados de densidade/abundância populacional. Com esse propósito, avaliámos dois métodos de monitorização (método direto – faroladas; método indireto – contagem de excrementos; os dois com distance sampling) do veado (Cervus elaphus), estabelecendo informações ecológicas acerca de três populações em Portugal. Este capítulo provou a eficácia das faroladas como método de referência para o veado em habitats Mediterrânicos e evidenciou a urgência de aplicar medidas preventivas na gestão de ungulados em Portugal. No capítulo seguinte, com o objetivo de estabelecer indicadores ecológicos robustos, analisamos a relação parasita-hospedeiro entre Elaphostrongylus cervi e o veado, num trabalho com uma escala temporal alargada em duas áreas em Espanha, com diferentes estratégias de gestão. Este estudo tornou evidente que com elevadas densidades de veado, os prejuízos (e.g. na condição corporal e capacidade imunitária) são independentes de gestão. Este estudo evidenciou ainda o papel que a precipitação tem na disponibilidade de alimento e, consequentemente, nos animais. Considerando a necessidade de analisar os ecossistemas e a sua gestão de forma holística, realizámos um estudo socioecológico acerca do veado em Portugal onde, através de inquéritos, avaliamos a perceção das pessoas relativamente a estas populações. De uma forma geral, a perceção é positiva, e relaciona-se negativamente com os danos causados (os agricultores mostram menos interesse pela natureza e maior perceção dos danos). Este estudo revelou também que indivíduos mais jovens e/ou mais qualificados mostram mais interesse pela natureza. As recomendações feitas, incluem a necessidade de ações preventivas e mitigadoras da sobreabundância, a necessidade de estratégias de comunicação que permitam a aceitação de medidas de gestão menos populares, e quando necessário, a adoção de medidas compensatórias para os agricultores afetados. A sobreabundância de ungulados deve ser sinalizada como um problema urgente para o qual os países e os seus governos devem dar respostas rápidas. Essas respostas têm de contar com a ciência e os cientistas, para que forneçam as ferramentas adequadas para lidar com esta problemática. Este trabalho pretende ser um pequeno contributo para esta desafiante tarefa.
URI: http://hdl.handle.net/10773/30414
Appears in Collections:UA - Teses de doutoramento
DBio - Teses de doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Documento_Ana Margarida Valente.pdf2.58 MBAdobe PDFembargoedAccess


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.