Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/28405
Title: Recuperação de pradarias marinhas (Zostera noltei) na Ria de Aveiro (Portugal): avaliação de técnicas de transplante
Author: Costa, Ana Filipa Albuquerque
Advisor: Sousa, Ana Isabel Francisco
Lillebo, Ana Isabel
Keywords: Habitats costeiros
Zonas húmidas
Cconservação
Unidades de transplante
Defense Date: Dec-2019
Abstract: As pradarias marinhas providenciam inúmeros serviços de ecossistema, mas devido a várias perturbações encontram-se em declínio em termos globais. Desde as três últimas décadas têm sido efetuados vários trabalhos que visam a recuperação de pradarias por meio de transplantes, nomeadamente com o género Zostera, do qual na sua maioria realizados com a espécie Zostera marina. Para a espécie Zostera noltei, que em termos morfológicos é muito diferente da Zostera marina, a aplicação das mesmas técnicas de transplante poderá não ser igualmente eficaz, devendo, por isso, ser testada in situ. Até finais do século passado a Ria de Aveiro albergava populações de Zostera marina e de Zostera noltei com distribuição subtidal e intertidal. Atualmente, a par com o declínio a nível global, em áreas intertidais apenas há registos de populações de Zostera noltei e a sua distribuição é bastante inferior à registada em meados do século XX. Neste contexto, é importante conhecer os métodos, testados por outros autores, que melhor contribuíram para promover a recuperação das pradarias, nomeadamente de Zostera marina, assim como será necessário identificar e testar os métodos que se apresentam mais promissores para a recuperação das populações de Zostera noltei na Ria de Aveiro. Assim, usando cinco métodos diferentes de transplante in situ (transplantes individuais com e sem ancoragem e “sod”), o objetivo desta dissertação é identificar o melhor método para transplantar Zostera noltei a fim de recuperar as suas populações. A monitorização, com base na cobertura vegetal, efetuou-se durante nove meses (novembro de 2018 a julho de 2019). Os resultados não demonstraram diferenças significativas entre métodos, mas sim entre meses, verificando-se um pico máximo de cobertura vegetal nos meses de março e abril. As alterações na cobertura vegetal ocorridas após este período, resultaram da variação de parâmetros ambientais e de perturbações antropogénicas e biológicas. O método que se revelou mais vantajoso para implementar em futuros trabalhos de recuperação com a espécie Zostera noltei foi o método “sod”.
Seagrass meadows provide several ecosystem services, but due to various disturbances they are declining globally. Since the last three decades there have been performed several studies aimed at recovery of seagrass meadows by transplant techniques, namely with the genus Zostera, from which the majority performed with the species Zostera marina. Due to very different morphological characteristics of Zostera noltei, the application and transplantation techniques may not be equally effective and should therefore be tested in situ. Until the end of the last century the Ria de Aveiro had populations of Zostera marina and Zostera noltei, with intertidal and subtidal distribution. Currently, along with the global decline, in intertidal areas only populations of Zostera noltei are found and its spatial distribution is much lower when compared to the middle of the 20th century. In this context, it is important to know the methods, tested by other authors, which best contributed to promote the seagrass recovery, namely Zostera marina, as well as to identify and test the most promising methods for the recovery of Zostera noltei populations in Ria de Aveiro. Thus, using five different in situ transplantation methods (bare root methods (with and without anchoring) and “sod” transplants), the aim of this dissertation is to identify the best method to transplant Zostera noltei in order to recover their populations. Monitoring, based on vegetation cover, was carried out for nine months (November 2018 to July 2019). The results showed no significant differences between methods, but among months, with a maximum peak of vegetation cover in March and April. Changes in vegetation cover after April were due to changes in the environmental parameters and from anthropogenic and biological disturbances. The most advantageous method for future recovery of Zostera noltei turned out to be the “sod” method.
URI: http://hdl.handle.net/10773/28405
Appears in Collections:DBio - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana_Filipa_Albuquerque_Costa.pdf1.25 MBAdobe PDFembargoedAccess


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.