Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/25709
Title: Ferropénia, uma epidemia oculta : contributo para uma melhor decisão clínica
Author: Nunes, António Manuel Robalo
Advisor: Fonseca, Maria Cândida Faustino Gamito da
Pimentel, Francisco Luís Maia Mamede
Keywords: Ferropénia
Anemia, ferritina
Epidemiologia
Diagnóstico
Terapêutica
Defense Date: 13-Feb-2019
Abstract: Tem-se assistido nos últimos anos a importantes avanços na compreensão do metabolismo do ferro e, desse modo, a uma melhoria na abordagem das frequentes condições, quer de deficiência quer de sobrecarga. A deficiência de ferro ocorre sob duas formas: absoluta, na qual a quantidade de ferro no organismo é insuficiente para o cumprimento das funções de eritropoiese e metabolismo energético, ou funcional, na qual a quantidade de ferro é normal ou até aumentada, mas a biodisponibilidade está comprometida. Ambas as formas podem coexistir no mesmo doente e importa otimizar a abordagem diagnóstica e terapêutica, em particular nos contextos de maior complexidade fisiopatológica. Além disso, tem-se verificado uma evolução no sentido de reconhecer a deficiência de ferro como uma condição clínica autónoma, independentemente da existência ou não do quadro de maior gravidade, que corresponde ao desenvolvimento de anemia ferropénica. Estes desenvolvimentos coexistem com um cenário de indesejável subvalorização na prática diária, o qual importa modificar, tendo em conta o impacto real da deficiência de ferro na Saúde Pública, em particular nalguns grupos populacionais mais susceptíveis e afetados. A avaliação da realidade e dimensão epidemiológica do problema, o estabelecimento de recomendações relativas ao diagnóstico e avaliação de estratégias terapêuticas norteadas por critérios de eficácia e toxicidade, são questões centrais na inversão da prática corrente, em especial em áreas onde existe falta de evidência. Este avanço na compreeensão do metabolismo do ferro tem-se revelado como um campo dinâmico de investigação, não só nos seus aspetos básicos como translacionais para a prática clínica. Deste modo, têm surgido novas oportunidades de investigação, quer no plano da definição de biomarcadores capazes de aumentar a capacidade diagnóstica, quer no plano terapêutico. O surgimento de formas farmacológicas de ferro endovenoso com baixa toxicidade e possibilidade de utilização em altas doses, abre portas à abordagem compreensiva dos estados de ferropénia no contexto de condições clínicas onde assume um papel importante enquanto comorbilidade. Esta evolução de conceito é crítica na medida em que pode ser um contributo para definir a melhor abordagem prática a esta condição clínica.
Important advances have been observed in recent years in the understanding of iron metabolism and thus to an improved approach to frequent conditions of both deficiency and overload. Iron deficiency occurs in two forms: absolute, in which the amount of iron in the body is insufficient to fulfill the functions of erythropoiesis and energy metabolism, or functional, in which the amount of iron is normal or even increased, but the bioavailability is compromised. Both forms can coexist in the same patient and it is important to optimize the diagnostic and therapeutic approach, particularly in the contexts of greater pathophysiological complexity. In addition, there has been an evolution in the recognition of iron deficiency as an autonomous clinical condition, regardless of the existence or not of the most serious condition, which corresponds to the development of iron deficiency anemia. These developments coexist with a scenario of undesirable undercutting in daily practice, which needs to be modified, considering the real impact of iron deficiency on Public Health, and, in particular, on some of the most susceptible and affected population groups The evaluation of the reality and epidemiological dimension of the problem, the establishment of recommendations regarding the diagnosis and evaluation of therapeutic strategies guided by criteria of efficacy and toxicity, are central issues in the reversal of current practice, especially in areas where there is a lack of evidence. This advance in the understanding of the iron metabolism has been revealed as a dynamic field of investigation, not only in its basic, as well as translational aspects for clinical practice. Thus, new research opportunities have emerged, both in terms of the definition of biomarkers capable of increasing diagnostic capacity, and in terms of therapeutics. The emergence of pharmacological forms of intravenous iron with low toxicity and possibility of use in high doses opens doors to the comprehensive approach of the states of iron deficiency in the context of clinical conditions where it assumes an important role as comorbidity. This concept evolution is critical as it can be a contribution to define the best practical approach to this clinical condition.
URI: http://hdl.handle.net/10773/25709
Appears in Collections:DCM - Teses de doutoramento
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
documento.pdf27.73 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.