Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/22001
Title: The influence of the Fragile X Mental Retardation-1 (FMR1) gene CGG repetitive region in the female reproductive function
Other Titles: A influência da região repetitiva CGG do gene Fragile X Mental Retardation-1 (FMR1) na função reprodutiva feminina
Author: Rodrigues, Bárbara Luísa Cerqueira
Advisor: Nogueira, António José Arsénia
Jorge, Paula Maria Vieira
Pereira, Maria de Lourdes
Keywords: Reprodução humana - Mulheres
Ovários
Genética molecular
Defense Date: 5-Jan-2018
Publisher: Universidade de Aveiro
Abstract: The impact of the Fragile Mental Retardation-1 (FMR1) gene CGG repeat number in the female reproductive function is well established. Carriers of a CGG repeat number between 55 and 200, designated a premutation, are prone to develop primary ovarian insufficiency or early menopause. Yet, an impact on the reproductive function in carriers of “normal” genotypes and sub-genotypes (CGG<54) is controversial. The presence of AGG in normal-sized alleles confers stability, hampering the expansion of the repeat number in future generations. To the best of our knowledge testing the influence of the AGG number and pattern on the female reproductive function has never been endeavored. Herein, the ovarian reserve markers were correlated with CGG number as well as AGG number and pattern, in female carriers of FMR1 normal-sized alleles. Our cohort comprised 50 healthy young females, candidates for oocyte donation. Considering AGG number and pattern are not routinely determined different methodologies were implemented: 1) Triplet-Primed Polymerase Chain Reaction; 2) Sanger sequencing; and 3) Restriction Fragment-Length Analysis. A projection of the association between the CGG repeat values and the hormonal levels, by multivariate analysis, was performed, considering the FMR1 new “normal” sub-genotypes previously defined. The hormonal levels associated with the different samples were not sufficient to discriminate the sub-genotypes, indicating that the individualization of the samples classified by sub-genotype was not possible. Resorting to a mathematical formula that determines the allelic score, taking into account total allele size, and AGG number and pattern. After statistical analysis, it was possible to divide the samples into two groups: a first called an equivalent group and a second called an opposite group. The equivalent group is composed mainly of samples carrying alleles in the normal FMR1 sub-genotype and the opposite, where most of the samples have an FMR1 low/normal sub-genotype. In the equivalent group, a positive and significant correlation was observed between the number of antral follicles and the hormonal levels: prolactin and luteinizing hormone (LH). Thus, it is possible to predict the largest number of antral follicles produced combining the levels of prolactin and LH. These results actually confirm prior publications as the low/normal sub-genotype has been previously associated with a diminished ovarian reserve. Overall, this study confirms the association of the FMR1 CGG repetitive region in the female reproductive function and suggests that the stability of the alleles is a determining factor for the ovarian response success.
A relação entre o número de repetições CGG do gene Fragile Mental Retardation-1 (FMR1) e a função reprodutiva em mulheres não é uma novidade. Está descrito que as portadoras de alelos com um número de repetições CGG entre 55 e 200, designados por pré-mutação, têm uma predisposição para desenvolver insuficiência ovárica primária ou menopausa precoce. Porém, a existência de risco de diminuição da função reprodutiva nas mulheres, com genótipos considerados “normais” (CGG<54), e respetivos subgenótipos ainda não é clara. Sabe-se que a presença de interrupções AGG confere a esses alelos uma maior estabilidade, impedindo a expansão do número de repetições CGG para um tamanho considerado patogénico. A forma como o número e o padrão de interrupções AGG poderá influenciar a função reprodutiva feminina, nunca foi estudada. No presente trabalho, os marcadores de reserva ovárica foram correlacionados com o número de repetições CGG e perfil das interrupções AGG. A população em estudo incluiu 50 mulheres jovens e saudáveis, candidatas à doação de oócitos. Dado que o número e o padrão das interrupções AGG não são determinados por rotina, foi então necessário implementar a sua análise, recorrendo a diferentes metodologias: 1) Triplet-Primed Polymerase Chain Reaction; 2) Sanger sequencing; and 3) Restriction Fragment-Length Analysis. Foi realizada uma projeção da associação entre o número de repetições CGG e os níveis hormonais, através de uma análise multivariável, considerando os novos subgenótipos "normais" FMR1 previamente definidos. Os níveis hormonais associados às diferentes amostras não foram suficientes para discriminar subgenótipos, indicando que a individualização das amostras classificadas por sub-genótipos não era possível. Recorrendo a uma fórmula matemática que determina a pontuação alélica, tendo em consideração o tamanho total do alelo, e o número e o padrão de AGG. Após análise estatística foi possível dividir as amostras em dois grupos: um primeiro designado por grupo equivalente e um segundo designado por grupo oposto. O grupo equivalente, que é composto principalmente por amostras que possuem alelos do subgenótipo “normal” FMR1, e o oposto, onde a maioria das amostras possui subgenótipo “normal/baixo” FMR1. No grupo equivalente, observou-se correlação positiva e significativa entre número de folículos antrais e os níveis hormonais: prolactina e hormona luteinizante (LH). Assim, é possível prever o número de folículos antrais produzidos combinando os níveis de prolactina e LH. Estes resultados confirmam publicações anteriores, já que o sub-genótipo “normal/baixo” foi anteriormente associado a uma diminuição da reserva ovárica. No geral, este estudo confirma a associação da região repetitiva CGG do FMR1 na função reprodutiva feminina e sugere que a estabilidade dos alelos é um fator determinante para o sucesso da resposta ovárica.
Description: Mestrado em Biologia Molecular e Celular
URI: http://hdl.handle.net/10773/22001
Appears in Collections:DBio - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE_FINAL_UA.pdf3.27 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.