Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/14805
Title: Qualidade de vida e ajustamento emocional em doentes com cancro ginecologico e mama
Author: Castelo Branco, Elizabeth Ordens
Advisor: Pereira, Anabela Sousa
Monteiro, Sara Otília Marques
Keywords: Psicologia clínica
Psicologia da saúde
Ansiedade
Qualidade de vida
Cancro da mama
Estratégias de adaptação emocional
Ginecologia
Defense Date: 2014
Publisher: Universidade de Aveiro
Abstract: O presente estudo teve como objetivo avaliar a qualidade de vida e ajustamento emocional aquando o diagnóstico e tratamento de sobreviventes de cancro ginecológico e da mama. Deste modo, foram examinadas as reações ao diagnóstico, tratamento e sobrevida, com o propósito de avaliar a relação entre a qualidade de vida e o ajustamento emocional à doença; sendo expectante quanto maior for a adaptação menor será a ansiedade, depressão e sintomatologia psicossomática. A amostra foi recolhida no Serviço de Ginecologia do Instituto Português de Oncologia de Coimbra onde foram entrevistadas 100 mulheres da consulta externa com patologia oncológica do colo, endométrio, ovário ou mama. Os instrumentos utilizados foram: Questionários Sociodemográficos, Escala de Depressão e Ansiedade Hospitalar, European Organization for Research and Treatment of Cancer- Questionários de Qualidade de Vida- qualidade de vida/core-30 com as subescalas: cervix-24, ovario-28 e mama-23; muitas conseguiram responder em formato de auto-resposta. Os dados revelaram que mais de metade das participantes da amostra referiu a necessidade de apoio profissionalizado. Os seguintes dados foram estatisticamente significativos: ansiedade e a depressão correlacionaram-se negativamente na qualidade de vida e no ajustamento emocional. A depressão também teve correlação negativa em relação à capacidade física, funcional e cognitiva. Não foi verificado relação significativa entre a ansiedade e a sintomatologia. No entanto, a depressão relacionou-se significativamente com a fadiga, dor, insónias e obstipação. Nos questionários referentes à mama, a ansiedade correlacionou-se negativamente com a imagem corporal, funcionamento sexual, satisfação sexual e perspetivas futuras. A depressão, neste grupo, correlacionou-se com a imagem corporal, funcionamento e satisfação sexual, perspetivas futuras e maior sintomatologia secundários. A idade teve impacto negativo na qualidade de vida global, capacidade física, satisfação e funcionamento sexual; e impacto positivo na depressão, capacidade social e com a perceção de sintomas. A escolaridade teve impacto negativo com a depressão e perceção de sintomas e positivo com a qualidade de vida global capacidade física e funcional, função e satisfação sexual. Como conclusões, no sentido de promover melhor qualidade de vida das sobreviventes do cancro ginecológico e da mama, são referidas medidas como o desenvolvimento de programas de intervenção cognitiva-comportamental e psicologia associada para mulheres que evidenciem maior vulnerabilidade psicológica.
Description: Mestrado em Psicologia - Psicologia Clínica e da Saúde
URI: http://hdl.handle.net/10773/14805
Appears in Collections:DEP - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Qualidade de vida e ajustamento emocional em doentes com cancro ginecológico e mama.pdf1.4 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.