Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/14450
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSoares, Sandra Cristina de Oliveirapt
dc.contributor.authorPereira, Lina Maria Tábuas da Cunhapt
dc.date.accessioned2015-07-20T11:02:01Z-
dc.date.available2015-07-20T11:02:01Z-
dc.date.issued2014-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10773/14450-
dc.descriptionMestrado em Psicologia Forensept
dc.description.abstractTem-se observado que estímulos ameaçadores com relevância evolutiva (e.g., cobras e faces de raiva) são atendidos de forma mais eficiente e mais rápida. O enviesamento da atenção para estes estímulos parece estar potenciado na população com quadros psicopatológicos, nomeadamente em indivíduos com sintomatologia ansiosa. Recentemente, tem-se estudado como vítimas de crimes interpessoais atendem a estes estímulos, dado a possível influência que poderão ter na etiologia e/ou manutenção de psicopatologia. Contudo, até ao momento, o caso particular das vítimas de violência doméstica tem sido negligenciado. Nesse sentido, neste estudo pretendeu-se observar tempos e exatidão de respostas em mulheres vítimas de violência (comparativamente com um grupo de controlo de não vítimas) a expressões faciais ameaçadoras (em contraste com expressões emocionais positivas), através de uma tarefa de pesquisa visual. Foram manipulados os estímulos alvo faciais utilizados (raiva, medo, alegria), apresentados entre faces emocionais neutras, e os tempos de apresentação destes (600 e 1200 ms), procurando verificar se também nesta população se observa uma deteção potenciada de faces de ameaça (raiva e medo) e se esse efeito se encontra potenciado quando as matrizes de imagens são apresentadas mais rapidamente, i.e., quando o processamento ocorre de modo mais automático. Os resultados revelaram que os dois grupos acertavam mais quando as faces eram de alegria e erravam mais quando as faces eram de ameaça, demorando também mais tempo a detetar estas. Observou-se ainda que as vítimas revelaram ser mais rápidas na tarefa, independentemente do tipo de face, comparativamente ao grupo de controlo. Os tempos de resposta para os tempos de exposição mais longos (1200 ms) são discutidos abordando a hipótese de vigilância-evitamento. Discute-se ainda a implicação que este mecanismo poderá ter no desenvolvimento e/ou manutenção de psicopatologia em vítimas de violência doméstica que terminaram a relação abusiva.pt
dc.description.abstractIt has been observed that threatening stimuli with evolutionary relevance (e.g., snakes and facial expressions of anger) are attended faster and more efficiently. This attentional bias seems to be enhanced in psychopathological populations, particularly in individuals with anxiety symptomatology. Recently, research has started to investigate how crime victims attend to this particular set of stimulus, given the possibility of an influence on the etiology and maintenance of psychopathology. However, the study of these processes in domestic violence victims has been neglected. Using a visual search paradigm, we intended to investigate if the group of victims (compared with the control group of non-victims) were faster and more accurate than the control group in detecting target threatening facial expressions (compared to positive faces),. We manipulated the facial stimulus used (anger, fear, and happy), presented among emotional neutral faces, and the time presentations of those stimulus (600 and 1200 ms), and whether these effects are exacerbated under the shorter stimulus duration, thus associated with an automatic attentional process. The results showed that both victims and non-victims (control group) were more accurate at detecting happy expressions, compared to angry and fear faces. They also exhibited shorter response times for happy faces, compared to angry and fear faces. In addition, the group of victims was faster to detect the emotional target than the control group, independently of the stimulus category. The response times for the longer exposure times (1200 ms) are discussed addressing the vigilance-avoidance hypothesis. The implications of such mechanism in the etiology and maintenance of psychopathology on domestic violence victims who have ended their abusive relationship are also discussed.pt
dc.language.isoporpt
dc.publisherUniversidade de Aveiropt
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectPsicologia forensept
dc.subjectViolência familiarpt
dc.subjectExpressão facialpt
dc.subjectPsicologia do comportamentopt
dc.subjectEmoçõespt
dc.subject.otherExpressão emocionalpt
dc.subject.otherAmeaçapt
dc.subject.otherAtençãopt
dc.subject.otherPesquisa visualpt
dc.subject.otherViolência domésticapt
dc.titleProcessamento de expressões faciais ameaçadoras em vítimas de violência domésticapt
dc.typemasterThesispt
thesis.degree.levelmestradopt
thesis.degree.grantorUniversidade de Aveiropt
dc.identifier.tid201582805-
Appears in Collections:DEP - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese.pdf1.36 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.