DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Ambiente e Ordenamento > DAO - Relatórios >
 Estudo da pegada de carbono de óleo vegetal alimentar
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/7130

title: Estudo da pegada de carbono de óleo vegetal alimentar
authors: Matos, Manuel Arlindo Amador de
keywords: Pegada de carbono
Óleo vegetal
Análise de ciclo de vida
issue date: 2009
abstract: A produção de óleo vegetal alimentar faz-se a partir de sementes de plantas oleaginosas. Para este efeito, em Portugal uma das principais sementes é o girassol, produzido no Ribatejo e no Alentejo, geralmente sobre a forma de culturas de sequeiro. Neste caso de estudo considerou-se que as sementes são enviadas para Espanha onde sofrem o processo de extracção e refinação. O óleo vegetal refinado volta a Portugal onde é embalado e distribuído ao consumidor. A análise de inventário das emissões de gases com efeito de estufa (pegada de carbono) para disponibilizar 1 litro de óleo vegetal alimentar em garrafa de PET nas prateleiras dos hipermercados nacionais permitiu concluir que a (pegada de carbono) do referido produto é de 2.77 kgCO 2 eq, tendo-se concluído que é a fase de produção agrícola das sementes a que apresenta a maior contribuição (80%), seguida da fase da extracção e refinação com cerca de 12% e depois da fase de empacotamento com cerca de 6%. A distribuição em alta é responsável por 0,5% e a distribuição até aos retalhistas por cerca de 1% do total da pegada de carbono. A análise do processo produtivo das sementes de girassol e da composição dos gases com efeito de estufa emitidos mostra que o maior contributo para a pegada de carbono advém do óxido nitroso, que resulta dos processos de desnitrificação associados ao uso de fertilizantes na agricultura. O transporte por estrada é responsável por apenas cerca de 3% da pegada de carbono total. Tratando-se de um produto obtido a partir de recursos biológicos que, apesar de fixarem CO 2 atmosférico, este não pode ser deduzido da pegada de carbono pois volta a ser novamente mobilizado para a atmosfera uma vez consumido como alimento, o que ocorre num prazo inferior a um ano.
URI: http://hdl.handle.net/10773/7130
publisher version/DOI: http://www.ua.pt/dao/
appears in collectionsDAO - Relatórios

files in this item

file description sizeformat
PegadaCarbono_OleoAlimentar_v14betabeta.pdfDocumento único381.63 kBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2