DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Comunicação e Arte > DECA - Teses de doutoramento >
 Teoria da registação do orgão : relação analítica entre forma e registação na obra de Jean Guillou
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/1253

title: Teoria da registação do orgão : relação analítica entre forma e registação na obra de Jean Guillou
authors: Rosa, Giampaolo Di
advisors: Oliveira, João Pedro Paiva de
keywords: Música
Instrumentos musicais
Orgãos (Música)
issue date: 2007
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: O som do órgão - instrumento musical singular entre todos os outros - não está dado nem predeterminado. É um som que varia em função da escolha dos registos. O som do órgão é, pois, produzido pela registação. Todavia, que espécie de som é esta, e como se forma, uma vez que a sua determinação é inerente, quer à formação, quer à execução de cada obra musical para órgão? Surge assim a questão da relação entre forma musical e registação do órgão, ou seja, entre forma e som qualificado pelo seu timbre. Parte-se, assim, de considerações estéticas e fenomenológicas, de noções de teoria da forma musical, bem como de conceitos semânticos e semióticos em ordem à concepção de uma teoria original da registação do órgão. Essa teoria inclui os seguintes elementos: - o processo de significação da produção do som; - a interacção entre os registos enquanto parâmetros de integração e incidência; - a relação entre forma musical e a registação do órgão como correspondência (determinada ou não) e configuração biunívoca (solística ou não). Deste modo, a teoria é aplicável em dois campos: por um lado, a disposição fónica do órgão em função da construção de órgãos; por outro, a própria análise musical. Como ilustração deste último domínio, analisam-se duas obras de Jean Guillou.

The organ sound - unique among all other instruments - is neither given nor predetermined. Rather, it changes according to the choice of the organ stops. Thus, organ registration produces the organ sound. What sort of sound is this, and what is the nature thereof as its character inheres the formation as well as the performance of every organ work? The question arises thus as to the relation between musical form and organ registration, that is, between form and sound timbre. Aesthetic considerations as well as phenomenological, musical form theory notions, along with semantic and music semiotic concepts are the starting point to conceive of an innovative organ registration theory. Three elements are identified within such a theory: - the signification process of the sound production; - the interaction among the organ stops as parameters of integration and incidence; - the relation between musical form and organ registration as correspondence (either defined, or undefined) and bi-univocal configuration (soloist or not). The theory may be, therefore, applied in, at least, two realms: on the one hand, the organ phonic disposition aimed at the organ building; on the other, musical analysis itself. To illustrate the latter, two works by Jean Guillou are analyzed.
description: Doutoramento em Música
URI: http://hdl.handle.net/10773/1253
appears in collectionsDECA - Teses de doutoramento
UA - Teses de doutoramento

files in this item

file description sizeformat
2007001330.pdf2.82 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2