Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/36156
Title: Mulheres idosas e atividade física: nunca é tarde
Author: Faria, Diana Filipa Viegas
Advisor: Neves, Rui
Keywords: Envelhecimento
Atividade física
Motivações
Mulheres idosas
Prática tardia
Defense Date: 15-Dec-2022
Abstract: Com o desenvolvimento do envelhecimento, evidências científicas dizem-nos que as diminuições das capacidades físicas são visíveis, aumentando o risco de inatividade física nas idades mais avançadas. A preocupação da sociedade em promover a AF de forma regular mesmo após os 65 anos torna-se um ponto de desafio naquilo que se designa por Envelhecimento Ativo. O fundamento da investigação reside nas razões e significados para a integração da AF nos estilos de vida de mulheres idosas num momento tardio das suas vidas. O nosso estudo baseou-se num grupo de 19 mulheres idosas, com mais de 65 anos, que praticam variados tipos de Atividade Física de forma regular e contínua, que se iniciou na vida destas mulheres apenas após os seus 60/65 anos. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa. O instrumento utilizado nesta investigação foi a entrevista individual semiestruturada. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo (Bardin, 2009), numa base dimensional, tendo como ponto principal a procura por situações fora do comum/particularidades. Os principais resultados deste estudo mostram-nos que o facto de estas idosas terem começado a prática de AF após os 60 anos, vem associado a razões de caráter muito subjetivo e ao contexto de vida das mesmas. Podemos inferir assim do nosso estudo, que apesar da vinculação tardia à prática, as mudanças estarão sempre presentes e acontecerão independentemente da faixa etária em que se inicie a prática de AF.
With the development of aging, scientific evidence tells us that decreases in physical capacities are visible, increasing the risk of physical inactivity at more advanced ages. Society's concern to promote PA on a regular basis even after the age of 65 becomes a challenge in what is called Active Aging. The foundation of the investigation lies in the reasons and meanings for the integration of PA in the lifestyles of elderly women at a late point in their lives. Our study was based on a group of 19 elderly women, over 65 years old, who practice various types of Physical Activity on a regular and continuous basis, which began in the lives of these women only after their 60/65 years. This is qualitative research. The instrument used in this investigation was the semi-structured individual interview. The data were subjected to content analysis (Bardin, 2009), on a dimensional basis, with the main point being the search for unusual situations/particularities. The main results of this study show us that the fact that these elderly women started to practice PA after the age of 60 is associated with reasons of subjectivity and their life context. Thus, we can infer from our study that, despite the late link to practice, changes will always be present and will happen regardless of the age group in which the practice of PA begins.
URI: http://hdl.handle.net/10773/36156
Appears in Collections:UA - Dissertações de mestrado
DEP - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Documento_Diana_Faria.pdf931.93 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.