Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/32865
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorPires, Célia Maria Abreu de Freitaspt_PT
dc.contributor.advisorTavares, João Paulo de Almeidapt_PT
dc.contributor.authorPinto, Sónia Isabel Lopes de Almeidapt_PT
dc.date.accessioned2022-01-12T11:06:42Z-
dc.date.available2022-01-12T11:06:42Z-
dc.date.issued2021-12-03-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10773/32865-
dc.description.abstractNo âmbito do Curso de Mestrado em Enfermagem de Saúde Familiar foi desenvolvido um estágio de natureza profissional na USF CoimbraCelas, com a finalidade do desenvolvimento de competências especializadas em enfermagem de saúde familiar. No presente relatório procura-se analisar critico-reflexivamente as competências desenvolvidas, descrevendo as atividades realizado para o desenvolvimento das mesmas. Durante o estágio foi desenvolvido um estudo empírico denominado “Representações sociais dos Enfermeiros de Família sobre Violência Conjugal”. A violência conjugal (VC) continua a ser um fenómeno frequente na sociedade contemporânea. A sua abordagem por parte dos enfermeiros de família (EF) é muitas vezes influenciada por um conjunto de crenças que a legitimam e pela incapacidade para enfrentar estas situações. Deste modo, este estudo objetivou analisar as representações sociais dos EF sobre VC. Desenvolveu-se um estudo observacional do tipo descritivo-correlacional, com 84 EF da região centro do país. A VC foi analisada através da escala de crenças de violência conjugal, questionário de violência conjugal e representações da violência conjugal e resposta do sistema judicial. Os dados foram analisados com recurso ao SPSS versão 23.0, recorrendo a estatística descritiva e inferencial Os dados evidenciam que 78% dos EF percecionam situações de VC, e cerca de um terço dos EF tiveram formação específica no âmbito da VC. Identificam vários sinais de deteção de VC, sendo os mais detetados, o reconhecimento de problemas emocionais e relacionais e os vestígios físicos nas vítimas. A atuação mais prevalente perante as vítimas de VC foi o encaminhamento para outros profissionais (79%). Apesar de apenas 16% dos EF optarem pela denúncia das situações de VC, destaca-se a visão abrangente dos mesmos sobre este fenómeno em que identificam como principais agressores os homens e, como vítimas, as mulheres, assumindo, no entanto, que VC pode acontecer independentemente do género. Como barreiras reportam a falta de preparação teórica e técnica e falhas na organização das unidades de saúde para responder a estas situações. Globalmente evidencia-se que os EF apresentam níveis de crenças sobre VC baixos e nível aceitável de conhecimentos sobre VC. As variáveis sociodemográficas dos EF não influenciaram, com exceção do género, o seu nível de crenças e os conhecimentos acerca da VC. Assim a identificação e encaminhamento de situações de VC é fundamental, pelo que, os EF estão numa situação privilegiada para o despiste e acompanhamento destes casos pelo contacto direto com as vítimas/famílias, sendo elementos fundamentais na prevenção e deteção precoce. A formação contínua dos EF, a capacitação efetiva das unidades de saúde familiar e a criação de orientações e protocolos que consubstanciem compromissos institucionais com organizações de apoio a vítimas/famílias constituem uma abordagem efetiva e sistémica.pt_PT
dc.description.abstractWithin the scope of the Master's degree Course in Family Health Nursing, a professional internship was developed at the USF CoimbraCelas, with the purpose of developing specialized skills in family health nursing. This report seeks to critically and reflectively analyze the skills developed, describing the activities carried out for their development. During the internship, an empirical study called “Social Representations of Family Nurses on Marital Violence” was developed. Domestic violence (DV) continues to be a frequent phenomenon in contemporary society. Their approach by family nurses (FN) is often influenced by a set of beliefs that legitimize them and by the inability to face these situations. Thus, this study aimed to analyze the social representations of FN about DV. An observational study of the descriptive-correlational type was developed, with 84 FN from the central region of the country. DV was analyzed using the marital violence belief scale, marital violence questionnaire and representations of marital violence and the response of the judicial system. Results were analyzed using SPSS version 23.0, using descriptive and inferential statistics. The Results show that 78% of the FN perceive situations of DV, and about a third of the FN had specific training in the scope of DV. They identify several signs of detection of DV, the most detected being the recognition of emotional and relational problems and the physical traces in the victims. The most prevalent action towards DV victims was referral to other professionals (79%). Although only 16% of the FN choose to denounce DV situations, their comprehensive view of this phenomenon stands out, in which they identify men as the main aggressors and women as victims, assuming however that DV can happen independently of the gender. As barriers they report the lack of theoretical and technical preparation and failures in the organization of health units to respond to these situations. Overall, it is evident that the FN have low levels of beliefs about DV and an acceptable level of knowledge about DV. The FN sociodemographic variables did not influence, with the exception of gender, their level of beliefs and knowledge about DV. Thus, the identification and referral of DV situations is essential, so the FN are in a privileged situation to track and monitor these cases through direct contact with victims/families, being fundamental elements in prevention and early detection. The continuous training of FN, the effective training of family health units and the creation of guidelines and protocols that substantiate institutional commitments with organizations that support victims/families constitute an effective and systemic approach.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.rights.urihttps://creativecommons.org/licenses/by/4.0/pt_PT
dc.subjectViolência domésticapt_PT
dc.subjectViolência por parceiro íntimopt_PT
dc.subjectCulturapt_PT
dc.subjectEnfermagem familiarpt_PT
dc.subjectCuidados de saúde primáriospt_PT
dc.titleRepresentações sociais dos enfermeiros de família sobre violência conjugalpt_PT
dc.typemasterThesispt_PT
thesis.degree.grantorUniversidade de Aveiropt_PT
dc.description.masterMestrado em Enfermagem de Saúde Familiarpt_PT
Appears in Collections:UA - Dissertações de mestrado
ESSUA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Documento_Sónia_Pinto.pdf5.28 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.