Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/29251
Title: Cationic porphyrins in the photoinactivation of viruses in blood
Other Titles: Porfirinas catiónicas na fotoinativação de vírus no sangue
Author: Santos, Patrícia da Silva
Advisor: Almeida, Adelaide de
Gomes, Ana Teresa Peixoto de Campos
Keywords: Viruses
Transfusion
Blood
Plasma
Antimicrobial photodynamic therapy
Cationic porphyrins
Methylene blue
Erythrocytes
Defense Date: 18-Dec-2019
Abstract: In the last years, besides the implementation of haemovigilance systems in many countries, the application of blood disinfection methods has been used in order to improve transfusion quality and safety. However, infections transmitted through blood transfusion still occur. The development of new methods to treat not only plasma and platelets, but also the whole blood and erythrocytes concentrates, can be an important measure to decrease the incidence of blood transfusion infections. Conventional disinfection techniques are currently in use essentially for plasma due to the collateral damage in cellular fractions. Antimicrobial photodynamic therapy (aPDT) represents an alternative to the conventional methods even for the whole blood and erythrocytes concentrates. aPDT involves the exposure of a photosensitizer (PS) to light in the presence of oxygen, which results in the production of reactive oxygen species (ROS) that causes irreversible damage in the pathogenic microorganisms. This therapy is already approved in some countries, but is limited to the use of three PSs, methylene blue (MB) for plasma disinfection and riboflavin and psoralen for plasma and platelet disinfection. The aim of this study was to evaluate the aPDT effect using cationic porphyrinic PSs (Tri-Py(+)-Me, Tetra-Py(+)-Me and Tetra-S-Py(+)-Me) in the photoinactivation of viruses in plasma and whole blood and the results were compared with the efficiency of an already approved PS to disinfect plasma, the MB. Possible side effects of aPDT on erythrocytes were also assessed by osmotic fragility tests of erythrocytes cytoplasmic membrane using increasing NaCl concentrations and erythrocytes count before and after aPDT treatment. The T4 bacteriophage was used as a model of mammalian viruses. For this purpose, a phage suspension of 108 PFU/mL in plasma and whole blood was exposed to white light (150 mW/cm2) for 270 minutes with a PS concentration of 10 μM. The results indicated that porphyrinic PSs were more effective than MB in the photoinactivation of T4 phage in plasma, with special emphasis of Tetra-S-Py(+)-Me. However, their efficiency decreased in the whole blood, possibly due to the aPDT blocking effects caused by the matrix complexity. None of the PSs tested caused osmotic stress and subsequent haemolysis in the erythrocytes at the isotonic condition. Therefore, porphyrinic derivatives, mainly the Tetra-S-Py(+)-Me, can be considered a promising PSs to photoinactivate viruses in plasma, but further improvements are required for aPDT use in whole blood.
Nos últimos anos, além da implementação de sistemas de hemovigilância em muitos países, a aplicação de métodos de desinfeção de sangue tem sido utilizada para melhorar a qualidade e segurança das transfusões. No entanto, infeções transmitidas por transfusão de sangue ainda ocorrem. O desenvolvimento de novos métodos para tratar, não apenas o plasma e as plaquetas, mas também o sangue total e os concentrados de eritrócitos, pode ser uma medida importante para diminuir a incidência dessas infeções. Atualmente, técnicas convencionais de desinfeção são usadas apenas para plasma devido aos danos colaterais que estas causam nas frações celulares. A terapia fotodinâmica antimicrobiana (aPDT) representa uma alternativa aos métodos convencionais, mesmo para o sangue total e concentrados de eritrócitos. A aPDT envolve a exposição de um fotosensibilizador (PS) à luz na presença de oxigénio, o que resulta na produção de espécies reativas de oxigénio (ROS) que causam danos irreversíveis nos microrganismos patogénicos. Esta terapia já está aprovada em alguns países, mas é limitada ao uso de três PSs, o azul de metileno (MB) para a desinfeção de plasma e a riboflavina e o psoraleno para a desinfeção de plasma e plaquetas. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da aPDT usando PSs porfirínicos catiónicos (Tri-Py(+)-Me, Tetra-Py(+)-Me e Tetra-S-Py(+)-Me) na fotoinativação de vírus no plasma e sangue total e os resultados foram comparados com a eficiência de um PS já aprovado para desinfetar plasma, o MB. Os possíveis efeitos colaterais da aPDT nos eritrócitos também foram avaliados através de testes de fragilidade osmótica da membrana citoplasmática dos eritrócitos usando concentrações crescentes de NaCl e da contagem de eritrócitos antes e após o tratamento com aPDT. O bacteriófago T4 foi utilizado como modelo de vírus que infetam mamíferos. Para tal, uma suspensão fágica de 108 PFU/mL em plasma e sangue total foi exposta à luz branca (150 mW/cm2) durante 270 minutos com uma concentração de PS de 10 μM. Os resultados indicaram que os PSs porfirínicos foram mais eficazes que o MB na fotoinativação do fago T4 no plasma, especialmente a Tetra-S-Py(+)-Me. No entanto, a sua eficiência diminuiu no sangue total, possivelmente devido aos efeitos bloqueadores da aPDT causados pela complexidade da matriz. Nenhum dos PSs testados promoveu stress osmótico e subsequente hemólise nos eritrócitos na condição isotónica. Assim, os derivados porfirínicos, principalmente a Tetra-S-Py(+)-Me, podem ser considerados PSs promissores para fotoinativar vírus no plasma, mas são necessárias melhorias para o uso da aPDT em sangue total.
URI: http://hdl.handle.net/10773/29251
Appears in Collections:DBio - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação_Patrícia Santos.pdf1.9 MBAdobe PDFembargoedAccess


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.