Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/29072
Title: Aplicação móvel versus intervenção presencial: impacto na dor e funcionalidade em estudantes universitários com dor lombar crónica
Other Titles: Mobile application versus face-to-face intervention: impact on pain and functionality in university students with chronic low back pain
Author: Marques, Ana Luísa Caldeira
Advisor: Queirós, Alexandra Isabel Cardador de
Silva, Anabela Gonçalves da
Keywords: Educação em neurociência da dor
Exercício
Aplicações móveis
Dor lombar crónica
Estudantes universitários
Defense Date: 16-Jul-2020
Abstract: Enquadramento: A dor lombar crónica (DLC) é um problema de saúde pública importante devido à sua elevada prevalência, alta probabilidade de recidiva e limitações funcionais associadas. É um fenómeno multifatorial e em cerca de 90% das pessoas é classificada como idiopática. A educação em neurociência da dor (END), utilizada em conjunto com o exercício parece ter efeitos positivos na redução da dor e melhoria da funcionalidade. Contudo, a administração de educação em neurociência da dor e exercício com recurso a aplicações móveis tem sido pouco explorada. Objetivo: Comparar o impacto de um programa de intervenção em END e exercício na DLC em estudantes do ensino superior administrados com recurso a duas aplicações móveis e a mesma intervenção administrada presencialmente no que diz respeito a: funcionalidade percebida, intensidade da dor, catastrofização, medo do movimento e adesão ao exercício. Métodos: Vinte e cinco estudantes do ensino superior com DLC foram distribuídos por um dos grupos de intervenção que consistiu em 3 sessões de END e exercício, administradas (duração de cerca de 1:30h cada) ao longo de 8 semanas e indicação para realização diária de exercícios. Os conteúdos e os exercícios foram os mesmos para os 2 grupos, mas no grupo tradicional as sessões foram presenciais e o plano de trabalhos para casa (exercícios e educação) foi em papel, enquanto no grupo das APPS apenas a 1ª sessão foi presencial. As restantes 2 foram via Whatsapp e os exercícios foram realizado com recurso à aplicação 7Mworkout. Resultados: Ambos os grupos apresentaram melhorias na intensidade da dor (p<0.001), na incapacidade (p<0.001) e conesiofobia (p<0.001); o grupo das apps apresentou melhorias superiores na catastrofização (p=0.007); o grupo tradicional teve resultados superiores no conhecimento em neurofisiologia da dor (p=0.038). Conclusão: A utilização de educação em neurociência em conjunto com exercício diminui a dor, incapacidade e catastrofização em estudantes universitários com DLC, independentemente do modo de administração da intervenção.
Background: Chronic low back pain (CLBP) is an important public health problem due to its high prevalence, high probability of recurrence and associated functional limitations. Pain neuroscience education (PNE), used with exercise, appears to have positive effects in reducing pain and improving functionality. However, the use of pain neuroscience education and exercise in the management of CLBP using mobile applications is under explored. Objective: To compare the impact of an intervention program based on PNE and exercise on chronic low back pain in university students administered using mobile applications and the same intervention administered in face-to-face with regards a: perceived functionality, pain intensity, catastrophizing, fear of movement and adherence to exercise. Methods: Twenty-five university students with CLBP were allocated to one of the intervention groups. The intervention consisted of 3 sessions of PNE and exercise, administered (duration of about 1:30h each) over 8 weeks and indication for daily exercise. The contents and exercises were the same for the 2 groups, but in the traditional group the sessions were face-to-face and the homework plan (exercises and education) was on paper, while in the APPS group only the first session was face-to-face. The remaining 2 were via Whatsapp and the exercises were performed using the 7Mworkout application. Results: Both groups showed improvements in pain intensity (p <0.001), in disability (p<0.001) and kinesiophobia (p<0.001); the Apps group showed superior improvements in catastrophizing (p=0.007); the face-to-face group had superior results in knowledge in pain neurophysiology (p = 0.038) and adhesion to exercise in 2 of the 8 weeks of intervention (p <0.031). Conclusion: This study concluded that the use of PNE in conjunction with exercise decreases pain, disability, and catastrophizing in university students with DLC, regardless of the mode of administration of the intervention.
URI: http://hdl.handle.net/10773/29072
Appears in Collections:UA - Dissertações de mestrado
ESSUA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação_Ana Luísa Caldeira Marques.pdf1.7 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.