Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/26053
Title: Perspectivas de educadores e crianças sobre o jogo (brincadeira) no contexto educacional do jardim de infância
Author: Libório, Ofélia da Ascenção Oliveira Dias
Advisor: Portugal, Gabriela
Defense Date: 2000
Abstract: A presente dissertação tem como principal objectivo compreender a perspectiva de educadores e crianças sobre o jogo (brincadeira) no contexto educacional do Jardim de Infância e eventuais pontos de convergência e divergência entre perspectivas. O jogo não é um tema novo no domínio da Educação de Infância. É, aliás, um tema indissociável da sua história e as teorias explicativas do jogo existentes são bastantes, estando, segundo alguns autores, impregnadas no raciocínio de acção pedagógica dos educadores. Nesta dissertação discutem-se algumas dessas teorias, com especial destaque para as teorias psicológicas que de formas diversas relacionam o jogo com o desenvolvimento e a aprendizagem na criança, todas reconhecendo o seu valor educativo. Apresenta-se também a proposta educacional da Activação do Desenvolvimento Psicológico e a sua forma de conceber o jogo e de o valorizar, proposta esta que, sendo teórica, pensamos que deverá fazer parte do conhecimento pedagógico dos educadores. Assentando em pressupostos construtivistas do desenvolvimento e aprendizagem, esta proposta integra uma outra concepção de inteligência (baseada em contributos de autores como Damásio, Goleman e Lira Miranda), o que implica olhar de forma diferente para o processo educativo e para o papel do jogo. O jogo, à luz desta proposta educacional, é visto como um processo optimizador (activador) do desenvolvimento/aprendizagem e da inteligência, o que leva a considerá-lo tema central em Educação de Infância. Facto que vem ao encontro de resultados de diversos estudos que relacionam a qualidade em Educação de Infância com a qualidade do jogo experienciado num determinado contexto educativo. A nossa proposta teórica considera que o atingir de níveis de qualidade de jogo não se compadece com prescrições "prontas a usar", já que, não negligenciando a importância dos conteúdos científicos do conhecimento 8 pedagógico, se considera que cada educador é também construtor do seu próprio conhecimento, o qual se concretiza em teorias subjectivas onde se misturam diversos ingredientes. No entanto, aceitamos que é possível alguma forma de operacionalização da qualidade se, tal como defende Katz, se atender às diferentes perspectivas dos actores intervenientes no processo educativo e se der especial destaque à perspectiva da criança, também ela activa no seu processo de desenvolvimento e aprendizagem e possuidora de uma forma única de experienciar um contexto. Daí a necessidade de compreender as perspectivas de educadores e crianças, identificar convergências e divergências, para podermos levantar pistas que nos indiquem percursos para atingir a qualidade que todos desejamos. O estudo que desenvolvemos é de cariz fenomenológico e interpretativo, partindo do discurso de educadores e crianças sobre o jogo proporcionado e experienciado. A apresentação e interpretação dos resultados tem por base a técnica de análise de conteúdo que documentamos em volume anexo. Os resultados indicam a existência de uma cultura de jogo no Jardim de Infância dominada pela perspectiva dos educadores; mostram um discurso dos educadores marcado por inúmeras contradições e apontando no sentido de uma desvalorização; indicam que as crianças têm ideias concretas sobre o jogo e possuem uma perspectiva nem sempre concordante com a perspectiva dos educadores.
The main goal of the present dissertation is to understand the perspectives of educators and children about play in the educational context of the kindergarten, and also possible convergent and divergent points among them. Play is not a new theme in the early childhood education domain. It is actually an intrinsic theme of its history and there is a great deal of explanatory theories of play. According to several authors, those theories are imprinted in the educators' pedagogical action reasoning. In this dissertation, we discuss some of those theories, focusing specially on psychological theories that relate play in diverse ways with the child's development and learning, all of them recognizing its educational value. We also present the educational proposal of Psychological Development Activation and its way of conceiving and valuing play. We think that this proposal, although theoretical, should be constituent of the pedagogical knowledge of the educators. The foundations of this proposal are the constructivist assumptions of learning development. It integrates a different conception of intelligence (based on contributions from Damásio, Goleman and Lira Miranda), which requires us to look in a different way at the education process and at the role of play. To the light of this proposal, play is seen as an optimizer (activator) process of development/learning and intelligence, which takes us to consider it as a central theme in early childhood education, and also agrees to the results of several studies relating the quality in early childhood education with the quality of the experienced play in a given education set. Our theoretical proposal considers that attaining quality levels in play does not bear with "ready to use" prescriptions. In fact, although we do not neglect the importance of the scientific contents of pedagogical knowledge, we consider that each educator is also a constructor of his own knowledge, which is materialized in subjective theories where various ingredients blend. However, we accept that it is in some way possible to make quality operational if, as Katz 10 states, we pay attention to the different perspectives of the actors which intervene in the educational process and we put in special relief the child's perspective. The child plays herself an active role in her development and learning process, and holds a unique form of experiencing a context. For that reason, we need to understand the perspectives from the educators and children, to identify convergences and divergences, with the aim at raising clues that may help us tracking routes to attain the quality we all ambition. The study we have accomplished has phenomenological and interpretative characteristics, starting from the discourse of educators and children about provided and experienced play. Presentation and interpretation of the results is based on the content analysis technique we document in an annexed volume. The results indicate the existence in the kindergarten of a culture of play where the perspective of the educators dominates; they reveal that the discourse of the educators is marked by countless contradictions and points towards a devaluation; they indicate that children have concrete ideas about play and hold a perspective that does not always agree with that of the educators.
URI: http://hdl.handle.net/10773/26053
Appears in Collections:DEP - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
195.PDF1.01 MBAdobe PDF    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.