Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/23125
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSilva, Carlos Fernandes dapt
dc.contributor.advisorVagos, Paula Emanuel Rocha Martinspt
dc.contributor.authorFélix, Ana Luísa da Silvapt
dc.date.accessioned2018-05-15T09:04:02Z-
dc.date.issued2017-01-05-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10773/23125-
dc.descriptionMestrado em Psicologia da Saúde e Reabilitação Neuropsicológicapt
dc.description.abstractIntrodução: A perturbação de ansiedade é caracterizada pelo medo intenso de situações sociais nas quais o indivíduo pode ser avaliado por um público. Os modelos cognitivos que pretendem explicar a perturbação baseiam-se na importância dos sintomas cognitivos (e.g., pensamentos automáticos negativos, distorções cognitivas, crenças), focando-se na importância da mudança cognitiva como promotora da subsequente mudança comportamental. Objetivos: Este trabalho teve como objetivo estudar o impacto da mudança cognitiva na sintomatologia da ansiedade social em adolescentes diagnosticados com perturbação de ansiedade social e contribuir para o campo de estudo das terapias empiricamente validadas, com foco especial na adolescência. Em particular, foi considerada a mudança ao nível da sintomatologia cognitiva. Métodos: Este estudo contou com um screening prévio a uma amostra alargada, de onde resultou a seleção de um grupo restrito de adolescentes com níveis elevados de ansiedade social autorrelatada, cujos membros foram individualmente avaliados via entrevista de diagnóstico clínico estandardizada. Após selecionados para o estudo, os participantes foram aleatoriamente divididos pelos grupos de intervenção e lista de espera. Depois do tempo de espera, ambos os grupos foram intervencionados de acordo com um programa de intervenção cognitiva composto por seis sessões. Resultados: A amostra foi constituída por 10 participantes, dos quais quarto fizeram também parte da lista de espera. Os resultados mostraram que não houve diferença significativa na alteração sintomatológica desde o início até ao final do programa, todavia os participantes autoavaliaram-se como mais aptos para performances sociais (p<.05) e mais recuperados quanto aos pensamentos ruminativos. Discussão/Conclusão: A ausência de resultados estatisticamente significativos mostra a ineficácia de um programa que aplica de forma isolada apenas a terapia cognitiva. Estes resultados vão de encontro aos estudos já realizados que sugerem que a terapia cognitiva-comportamental é a mais eficaz para o tratamento da perturbação de ansiedade social.pt
dc.description.abstractIntroduction: Anxiety disorder is characterized by intense fear of social situations in which the individual can be assessed by an audience. Cognitive models that attempt to explain the disorder are based on the importance of cognitive symptoms (e.g., negative automatic thoughts, cognitive distortions, beliefs), focusing on the importance of cognitive change as a promoter of subsequent behavioural change. Objectives: This study aimed to investigate the impact of cognitive change on social anxiety symtoms in adolescents diagnosed with social anxiety disorder and to contribute to the knowlegde of empirically validated therapies with a particular focus on adolescence. In particular, the change of cognitive symptoms. Methods: The study subjects were previously screened from a large sample, through a standardized clinical diagnosis interview, which resulted in the selection of a restricted group of adolescents with high levels of self-reported social anxiety. The selected participants were randomly divided into intervention group and waiting list. After the waiting time, both groups were enrolled in a cognitive intervention program of six weekly sessions. Results: The sample consisted of 10 participants, of which four were also part of the waiting list. The results showed that there was no significant difference in the symptom change from the baseline to the end of the program, however, the participants assessed themselves as more suitable for social performances (p <.05) and more recovered as far as ruminal thoughts were concerned. Discussion/Conclusion: The absence of statistically significant results shows the inefficacy of a program that applies only cognitive therapy alone. These results are in line with previous studies that suggest that cognitive-behavioral therapy is the most effective treatment for social anxiety disorder.pt
dc.language.isoporpt
dc.publisherUniversidade de Aveiropt
dc.rightsembargoedAccesspor
dc.subjectPsicologia clínicapt
dc.subjectPerturbações do comportamentopt
dc.subjectFobia socialpt
dc.subjectAnsiedadept
dc.subjectRelações interpessoaispt
dc.subjectAdolescentespt
dc.subjectTerapia cognitivapt
dc.subjectPsicoterapia de grupopt
dc.subjectPsicologia socialpt
dc.subject.otherPerturbação de ansiedade socialpt
dc.subject.otherTerapia cognitivapt
dc.subject.otherTerapia em grupopt
dc.titleIntervenção cognitiva em adolescentes com fobia socialpt
dc.typemasterThesispt
thesis.degree.levelmestradopt
thesis.degree.grantorUniversidade de Aveiropt
dc.date.embargo2020-01-05T10:00:00Z-
dc.identifier.tid201944529-
Appears in Collections:DEP - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação.pdf1.04 MBAdobe PDFembargoedAccess


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.