Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/12761
Title: Benefícios da diversificação de carteiras: mercados activos europeus
Author: Silva, Emmanuel da Rocha
Advisor: Madaleno, Mara Teresa da Silva
Keywords: Economia
Mercados financeiros - Europa
Investimento financeiro
Instrumentos financeiros
Defense Date: 2014
Publisher: Universidade de Aveiro
Abstract: Ao longo desta investigação é realizada uma avaliação e comparação compreensiva, segundo a perspectiva de um investidor europeu, dos benefícios inerentes à diversificação de carteiras a nível regional em comparação com a diversificação internacional. Analisa-se os benefícios que o investidor obtém em deter uma carteira regional de activos (activos pertencentes à União Europeia) em comparação aos benefícios de deter uma carteira global de activos (activos pertencentes a outros mercados financeiros que não o Europeu). Esta avaliação é feita com base em índices sectoriais e de acordo com o seu nível de performance. O período da amostra foi dividido em dois subperíodos, pré-crise financeira (1999 a 2006) e o período de crise (2007 a 2012). De acordo com a análise gráfica realizada, podemos afirmar que independentemente do sector em que o investidor decida investir, a diversificação internacional proporciona maior nível de benefícios para o investidor. Excepção feita para o sector de baixa performance, onde a carteira regional apresenta melhorias significativas a nível de benefícios para o investidor. A nível dos “spanning tests”, para o sector de alta e média performance, existe evidência forte de que a carteira regional apresenta um maior nível de benefícios para o investidor, excepção feita para o período de crise considerado, onde a diversificação internacional apresenta maiores níveis de benefícios para o investidor. No sector de baixa performance a carteira regional proporciona, independentemente do período em análise, maiores benefícios em relação à diversificação internacional. A nível das medidas de diversificação analisadas, para o sector de alta performance, quando não são consideradas restrições ao investimento, a carteira global oferece um benefício adicional ao investidor, no entanto, quando consideradas restrições ao investimento o inverso acontece. Nos sectores de média e baixa performance, na presença ou não de restrições ao investimento, a carteira global é a que proporciona benefícios adicionais ao investidor. Ao observarmos os dois subperíodos, concluímos que, para qualquer um dos três sectores de performance, com ou sem restrições ao investimento, o investidor não obtém qualquer benefício adicional se incorporar na sua carteira activos financeiros pertencentes a outros mercados que não o europeu, com excepção para o sector de média performance no período de 1999 a 2006, onde a carteira global aparece com um benefício superior para o investidor.
Along this investigation, we conduct a comprehensive evaluation and comprehensive comparison, according to the perspective of a European investor, of the inherent benefits to portfolio diversification at a regional level by comparison to international diversification. We analyze the benefits that the investor can gain by holding a regional portfolio of assets (belonging to the European Union) by comparison to those obtained by holding a global portfolio (composed of assets belonging to financial markets besides European ones). This evaluation is made up using sectorial index data and according to their performance level. The sample period was divided into two sub-periods, pre-financial crises (1999 to 2006) and that of the crises period (2007 to 2012). In accordance with the graphical evidence, we may say that regardless of the sector in which the investor decides to invest, the global portfolio or international diversification dominates the regional portfolio in terms of investor’s benefits. Except for the low performance sector, where the regional portfolio presents significant improvements in terms of benefits to the investors. The results obtained from the spanning-tests indicate that, for the high and moderate performance sectors, the regional portfolio provides a bigger level of benefits for the investor, except for the crises period, where international diversification presents a higher level of benefits. In the low performance sector the regional portfolio dominates, independently of the period analyzed, suggesting higher benefits with respect to international diversification. In terms of the diversification measures analyzed, for the high performance sector, when short-selling (ss) is not allowed, the global portfolio offers additional benefits to the investor. However, when ss is allowed, the reverse happens. For moderate and low performance sectors, whether ss is allowed or not, the global portfolio revealed to be the one to provide additional benefits to the investor. By observation of both periods we conclude that in all three sectors, whether ss is allowed or not, the investor wouldn’t obtain any additional benefit by adding to his portfolio financial assets of other markets besides the European, except for the moderate performance sectors in the period 1999 until 2006, where the global portfolio appears with an additional benefit to the investor.
Description: Mestrado em Economia
URI: http://hdl.handle.net/10773/12761
Appears in Collections:DEGEIT - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE.pdftese1.55 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterLinkedIn
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.