Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10773/10485
Title: Estímulo à participação dos alunos - práticas de ensino auto reflexivas
Author: Leite, Sara Dias
Advisor: Talaia, Mário de Almeida Rodrigues
Pedrosa, Helena
Keywords: Métodos pedagógicos
Actividades de aprendizagem
Ensino da física
Ensino da química
Motivação para a aprendizagem
Motivação dos alunos
Defense Date: 2011
Publisher: Universidade de Aveiro
Abstract: Um dos objetivos centrais da escola atual é o de desenvolver nos alunos competências que lhes permitam adaptar-se à sociedade em constante transformação e não apenas a veiculação de conteúdos académicos. No entanto, vários estudos mostram que existem dificuldades na transferência das aprendizagens da sala de aula para o mundo real. Uma das razões apontadas é o facto de os conhecimentos de sala de aula não serem bem integrados com os conhecimentos anteriores do aluno. Para que ocorram aprendizagens significativas, torna-se, portanto, necessário que o professor leve em consideração, no planeamento de estratégias de ensino, os conhecimentos anteriores e expectativas dos alunos, as suas questões e ideias. Para que tal aconteça, é essencial que os alunos interajam com o professor, agindo como parceiros no processo de ensino e de aprendizagem, exprimindo as suas ideias, dúvidas e expectativas. Assim sendo, nesta investigação procurou-se aumentar a participação dos alunos através da criação de momentos que lhes permitissem explorar as suas ideias e escrever as suas questões. As ‘produções’ orais e escritas dos alunos foram objeto de reflexão e análise pela professora-investigadora, e levadas em consideração no planeamento das aulas subsequentes. Os dados foram recolhidos através de observação participante e não-participante, de anotações do investigador, de questões e respostas escritas pelos alunos, e da gravação áudio das interações orais das aulas. O método de investigação adotado foi o estudo de caso, sendo a investigação de carácter qualitativo. Pese as limitações do estudo no que diz respeito à dimensão da amostra, os resultados apontam no sentido de que as estratégias aplicadas estimularam a participação dos alunos. A comparação entre o número de questões escritas pelos alunos e o número de intervenções orais em algumas das aulas lecionadas revelou que o número de alunos que escreveram questões foi superior ao número de alunos que intervieram oralmente. Constatou-se, ainda, que nas aulas em que não existiu um momento exclusivamente dedicado a esta atividade, o número de questões escritas pelos alunos foi menor do que o obtido nas aulas em que aquele tempo foi disponibilizado. Estes dados sugerem que a criação de momentos de escrita de questões permite aumentar a participação dos alunos, o que foi já anteriormente defendido por vários autores. Também os momentos de trabalho em grupo constituíram um espaço importante para a exploração das ideias dos alunos, o que se tornou visível pela grande atividade dentro dos grupos, com apresentação de argumentos, construção conjunta de conhecimentos e, sobretudo, pela variedade de propostas que surgiram como forma de dar resposta a questões idênticas das fichas de trabalho. De facto, constatou-se que um maior número de alunos participava nas discussões em turma, quando estas se seguiam aos momentos de trabalho em grupo, do que quando eram realizadas após a exposição dos temas programáticos. Em suma, o que estas constatações sugerem é que a inclusão de momentos de trabalho autónomo, com a possibilidade de trocar ideias com os colegas, pode contribuir para aumentar a motivação dos alunos para intervir na aula. A recolha de questões forneceu informação acerca de falhas no conhecimento e dúvidas implícitas e explicitas na expressão escrita dos alunos, o que corrobora os resultados encontrados por outros estudos. Da mesma forma, a análise do discurso oral dos alunos e das suas respostas escritas constituiu uma fonte de informação importante relativamente àqueles aspetos. A reflexão sobre estas permitiu à professora-investigadora fazer ajustes e planear estratégias adequadas à melhoraria dos aspetos em que foram identificados problemas. O uso das ‘produções’ escritas e orais dos alunos para discussão em aulas posteriores constituiu uma forma de promover interações aluno-aluno, permitiu aceder às dúvidas de outros alunos, que se identificaram com as ideias expressas nas questões escritas, respostas escritas e manifestações orais dos seus colegas, e ajudou a integrar os alunos na gestão do processo de ensino e aprendizagem. No que diz respeito à tentativa de estimular os alunos a reformularem as suas respostas, o pedido explícito de reformulação parece aumentar a predisposição dos alunos para fazerem alterações, quando comparado com os casos em que esse pedido não existiu. Estes resultados sugerem que esta estratégia tem a potencialidade de favorecer a reflexão dos alunos sobre as suas próprias ideias. No final da dissertação, apresentam-se as limitações deste estudo e propõem-se sugestões para melhorar e aprofundar as estratégias implementadas.
One of the main objectives of school nowadays is the development of skills that allow students to adapt to the ever-changing society, and not merely the delivery of academic contents. However, various studies suggest that there are problems concerning the use of classroom learning in the real world. One of the reasons pointed out is that the classroom knowledge is not well integrated with the previous knowledge held by student. In order to create conditions for the significant learning to occur it is necessary that teachers should consider students’ previous knowledge and expectations, their questions and ideas, before planning teaching strategies. Therefore it is essential to promote students interaction with their teachers, acting as partners in the process of teaching and learning, expressing their ideas, questions and expectations. Thus, in this study, we tried to increase student participation through the creation of moments that allowed them to explore their ideas and write their questions. The students’ oral and written ‘productions’ were object of reflection and analysis by the teacher-researcher, and taken into account in the planning of the next classes. Data was collected through participant and non-participant observation, field notes, written questions and answers, and audio taped record of oral classroom interactions. The study is of a qualitative nature and the method adopted was the case study. Despite the limitations of the study related to the sample size, the results obtained suggest that the strategies implemented did stimulate the participation of students. The comparison between the number of written questions and oral interventions, in some of the classes, revealed that the number of students who wrote questions was higher than those who made oral interventions. It was also found that in the classes where there was not a moment exclusively devoted to this activity, the number of written questions was lower than that obtained in classes were that time was provided. These data suggest that the creation of moments for writing questions helps to increase the participation of students, which is a claim that has been sustained by several authors. The group work moments were also important for the students to explore their ideas. This was visible through the great activity within groups, presenting arguments and co-constructing knowledge, and especially through the variety of proposals emerging by answering the same questions in the worksheets. Indeed, it was noticed that a larger number of students would participate when the class discussions were held after the group work, rather than when they were undertaken after lecturing. In sum, these results suggest that including moments for autonomous work, with the possibility of exchanging ideas with peers, can contribute to increase the motivation of students to intervene in the classroom. The questions collected also provided information about knowledge gaps and doubts implicit and explicit in students’ writing, what reaffirms the results found by other studies. Likewise, the analysis of students’ oral discourse and their written responses contributed to increase the information concerning those aspects. The use of students’ written and oral ‘productions’ for discussion in class allowed to have access to doubts and ideas of their peers who hadn’t expressed them, but did identify with the ideas/doubts of their peers during the class discussion. It also helped promote student-student interaction and develop students’ critical thinking. Finally, the data showed that the explicit request for students to reformulate their answers seems to increase their predisposition to change their initial writings, rather than when there was no request. These results suggest that this strategy has the potential to promote students’ reflection on their own ideas. Some limitations of the study will also be presented together with a few suggestions for further development and improvement of the strategies implemented.
Description: Mestrado em Ensino de Física e de Química no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário
URI: http://hdl.handle.net/10773/10485
Appears in Collections:DE - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
6600.pdf1.23 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.