DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Biologia > BIO - Dissertações de mestrado >
 Poliomavirus BK: comparação entre citologia e hibridização in situ
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/8835

title: Poliomavirus BK: comparação entre citologia e hibridização in situ
authors: Vale, Paula Cristina Monteiro da Fonseca
advisors: Criado, Maria Begoña
Almeida, Maria Adelaide de Pinho
keywords: Biologia molecular
Poliomavírus
Virologia
Transplantes: Rins
issue date: 2009
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: Em situações de diminuição da imunidade, como é o caso dos doentestransplantados renais, estima-se que 10 a 60% dos pacientes apresentamreactivação das infecções latentes por BKV. Aproximadamente 6% dosdoentes transplantados renais apresentam nefropatia por Poliomavírus BK(NBKV), levando à perda de aproximadamente 45 a 50% dos enxertos. Acitologia urinária, com contagem de células decoy, é o método mais utilizadopara o diagnóstico de BKV nos casos dos doentes transplantados renais. O presente trabalho teve como objectivo investigar a incidência doPoliomavírus (PV) na citologia urinária em relação às variáveis clínico-patológicas como sexo, idade e período pós-transplante. Tendo emconsideração as limitações da citologia urinária foi também objectivo destetrabalho investigar se o método de hibridização in situ com cromogéneo(CISH), poderá ser uma ferramenta útil no diagnóstico do BKV. Foram usadas 66 amostras de urina, de pacientes transplantados,processadas para diagnóstico citológico pelo método de ThinPrep® 2000 eclassificadas como negativa, positiva ou sugestiva para PV. Das 66 amostras analisadas (77,3% de homens e 22,7% de mulheres) 16(24,2%) apresentaram células decoy e 5 (7,6%) casos foram sugestivas deinfecção por PV. Quando analisadas as variáveis clínico-patológicas observa-se que a incidência de PV na urina se associa significativamente (p<0,05) como sexo masculino, no período pós-transplante >6 meses e no grupo etário 51-60 anos. Em relação ao CISH, verificou-se uma alta correlação entre osresultados obtidos por esta metodologia e os obtidos na citologia urinária,sendo possível mediante CISH descriminar entre infecção por BKV e JCV. Dos resultados obtidos conclui-se que a identificação das células decoy podeajudar no diagnóstico da replicação viral ou infecção activa por PV tendo, acitologia urinária, um papel importante como método de screening. No entanto,a citologia pode conduzir a resultados falso positivos e não permite odiagnóstico diferencial entre o BKV e o JCV. Os resultados obtidos nesteestudo indicam que a técnica de CISH pode ser uma ferramenta importante, nodiagnóstico diferencial entre os dois tipos de PV.

In situations of decreased immunity, as is the case of renal transplant patients,it is estimated that 10 to 60% of patients have reactivation of latent infection byBKV. Approximately 6% of renal transplant patients have Polyomavirus BKnephropathy (NBKV), leading to loss of about 45 to 50% of the grafts. Urinarycytology, with count of decoy cells, is the most widely used method fordiagnosis of BKV in cases of renal transplant patients. This study aimed to investigate the incidence of the Polyomavirus (PV) inurinary cytology in relation to clinical pathological parameters such as sex, ageand post-transplant period. Given the limitations of urinary cytology was also anobjective of this study to investigate whether the method of in situ hybridizationwith chromogenic (CISH), may be a useful tool in the diagnosis of BKV. We used 66 urine samples of transplant patients, processed for cytologicaldiagnosis by the method of Thin Prep® 2000 and classified as negative,positive or suggestive for PV. Of the 66 samples analyzed (77.3% men and 22.7% women) 16 (24.2%) hadDecoy cells and 5 (7.6%) cases were suggestive of infection with PV. Whenanalyzing the clinical pathological parameters was observed that the incidenceof PV in the urine is associated with significantly (p <0.05) with the male in thepost-transplant period >6 months and in the age group 51-60 years. For theCISH, there was a high correlation between the results obtained by thismethodology and urinary cytology, it is possible by CISH discriminate betweeninfection with BKV and JCV. From the results it is concluded that the identification of decoy cells may help indiagnosing viral replication or active infection by PV and the urine cytology, animportant role as a screening method. However, cytology may lead to falsepositive and does not allow the differential diagnosis between BKV and JCV.The results of this study indicate that the technique of CISH may be animportant tool in the differential diagnosis between the two types of PV.
description: Mestrado em Biologia Molecular e Celular
URI: http://hdl.handle.net/10773/8835
appears in collectionsBIO - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

files in this item

file description sizeformat
250360.pdf7.47 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2