DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Educação > DE - Teses de doutoramento >
 P3: uma outra concepção de escola: estudo de caso
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/7722

title: P3: uma outra concepção de escola: estudo de caso
authors: Martinho, Miguel Henriques
advisors: Mendes, António Augusto Neto
keywords: Educação aberta
Métodos pedagógicos
Avaliação da educação
Organização escolar - Portugal
Administração escolar
issue date: 2011
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: Este trabalho de investigação pretende encontrar explicações para o insucesso das escolas de área aberta em Portugal. Mais do que contar a história das open plan schools (ou escolas P3, como ainda são conhecidas no nosso país), a pretensão foi ouvir, principalmente na primeira pessoa, as dificuldades, as “estórias” e as razões que na opinião dos professores conduziram à radical transformação do espaço físico e pedagógico originalmente proposto para estas organizações escolares. Na impossibilidade de estudar todas as “P3” construídas, optou-se metodologicamente por um estudo de caso de uma escola paradigmática em termos de “evolução” organizacional e pedagógica (em 1982, num programa de televisão, esta foi apresentada como uma escola de área aberta “modelo”). A investigação de cariz etnográfico permitiu de uma forma mais aprofundada conhecer as sucessivas transformações ocorridas. No trabalho de campo, foram realizadas entrevistas, consultados documentos diversos, captaram-se centenas de imagens e foi feita a análise de um inquérito realizado nos anos 1980 aos professores de escolas de área aberta – tipo P3. Os resultados mostram que os professores (principais actores envolvidos neste processo) não tiveram uma preparação adequada para uma pedagogia que se pretendia inovadora. Na opinião de todos os docentes entrevistados, e de acordo com a informação documental recolhida, o Ministério da Educação não deu o acompanhamento e o apoio necessário aos docentes das P3. Não sabemos se as escolas de área aberta “falharam” ou não, este estudo não demonstra isso, mas sim que as condições para que estas escolas funcionassem não existiram, tal tornou-se evidente na falta de estabilidade das equipas docentes (rotatividade), no rácio excessivo de alunos por professor, na insuficiente formação e divulgação sobre escolas P3 e até na inexistência de experiências piloto. Apesar de tudo, alguns professores consideram que as vantagens de adaptabilidade e de flexibilidade em termos de prática pedagógica, trazidas pelas escolas de área aberta, compensariam os riscos e as dificuldades que se levantaram.

This investigation intends to find explanations for the lack of success of “open plan schools” in Portugal. More than telling the history of this kind of schools (known in our country by many people as “escolas P3”), it was our pretension to listen, specially in the first person, the difficulties, the “stories” and the reasons that in the opinion of the teachers led into the radical transformation of the physical and pedagogical space originally proposed for this educational organizations. As it was impossible to study all the “P3” that were built, our option was to do a case study of a paradigmatic school in terms of organizational and pedagogical “evolution” (in 1982, in a news report on TV, our case was presented as a “model” open plan school). The research with some ethnographic resemblances permitted us in a more profound way to know the successive transformations that occurred. In our field work, we consulted a large diversity of documents, did interviews, we capture hundreds of pictures and we did the analysis of an inquiry done in the 1980’s to the teachers of the “escolas P3”. The results shows us that teachers (the main “actors” involved in this process) didn’t have the proper preparation for a pedagogy that was intended to be innovative. In the opinions registered in all interviews, and in consonance with the collected documental information, the Ministry of Education didn’t give the support and the accompaniment necessary to the teachers in the “P3”. We don’t know if the open plan schools “failed” or not, this study doesn’t demonstrate that, we do know that the conditions to make these schools work were not given, that becomes evident in the lack of stability of the teaching teams (rotativity), in the excessive number of students per teacher, in the insufficient formation and divulgation about “P3 schools” and even in the inexistence of pilot experiences. Nevertheless, some teachers believe that the advantages in adaptability and in flexibility in terms of pedagogical practice, brought by the open plan schools, would compensate the risks and the difficulties that later appeared.
description: Doutoramento em Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10773/7722
appears in collectionsUA - Teses de doutoramento
DE - Teses de doutoramento

files in this item

file description sizeformat
243536.pdf43.99 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2