DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Biologia > BIO - Dissertações de mestrado >
 Abundância e diversidade de poliquetas nos canhões submarinos portugueses
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/771

title: Abundância e diversidade de poliquetas nos canhões submarinos portugueses
authors: Tiago, Áurea Raquel Pinto
advisors: Cunha, Marina Ribeiro da
keywords: Biologia marinha
Ecossistemas marinhos
Poliquetas
Macrofauna bentónica
Canhões submarinos
issue date: 2008
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: O trabalho foi realizado na costa Oeste da Margem Ibérica em três canhões submarinos Portugueses: Nazaré, Setubal e Cascais, a três profundidades: 1000m, 3400m e 4300m; e em duas zonas de talude continental, adjacentes aos canhões de Nazaré e Setubal, a 1000m de profundidade. São estudadas as comunidades de poliquetas com o objectivo de identificar diferenças entre as comunidades do talude continental e dos canhões submarinos, determinar a ocorrência de padrões de abundância, biomassa e diversidade relacionados com o gradiente de profundidade e interpretar essas diferenças em relação com as condições ambientais dos diferentes canhões. No que se refere à estrutura vertical no sedimento, a macrofauna de uma forma geral apresenta um decréscimo de abundância e do número de espécies com o aumento da profundidade do sedimento. Apesar disso, a biomassa apresenta valores mais elevados a maior profundidade do sedimento. De acordo com a abundância, biomassa, dominância e estrutura da comunidade os diferentes ambientes estudados (canhão e talude continental) apresentam diferenças significativas, mas também se detectou variabilidade entre as comunidades dos diferentes canhões e a diferentes profundidades. A 1000m, nos canhões e talude continental, a dominância é baixa e a equitabilidade elevada, mas a diversidade foi geralmente mais baixa no talude continental. A esta profundidade as comunidades apresentam elevadas abundâncias de carnívoros e omnívoros. A dominância foi mais elevada para todos os canhões a 3400m, apesar dos canhões de Nazaré e Setúbal apresentarem comunidades mais dominadas, principalmente pelos detritívoros de superfície e de sub-superfície. No que respeita à densidade de indivíduos, os canhões submarinos da Nazaré e Setúbal apresentam valores mais elevados, com valores máximos a profundidades intermédias, mas no caso da biomassa média individual, os valores mais elevados são encontrados no canhão de Cascais. As variações na composição e estrutura das comunidades podem ser relacionadas com a origem e distribuição de carbono orgânico particulado que é interpretado como a principal fonte de alimento para as comunidades bentónicas dos canhões. Concluindo, neste trabalho existem evidências de que as diferentes áreas analisadas, em relação às comunidades de poliquetas, apresentam padrões diferentes ao longo do gradiente de profundidade e nos três canhões, reforçando a idéia que os canhões são sistemas com caracteristicas únicas e comunidades particulares, diferindo de outros canhões.

The present work was undertaken in the West Iberian Margin, in three different canyons of the Portuguese coast: Nazaré, Setúbal and Cascais, at three different depths: 1000m, 3400m and 4300m; and in two open slope sites, adjacent to Nazaré and Setubal canyons, at 1000m. This work is focused on the study of polychaete assemblages and aimed to identify differences between open slope and canyon assemblages, to determine the occurrence of abundance, biomass and diversity patterns related to the depth gradient and to investigate differences possibly related to environmental conditions in different canyons. Regarding the vertical structure of the sediment, macrofauna generally presented decreasing abundance and species richness with increasing depth of sediment layers. Despite this, biomass presented higher values at deeper sediment layers. The two different deep-sea environments (canyon and open slope) showed significant differences, namely in their abundance, biomass, dominance and community structure. However, important differences between and within canyons were also identified. Both canyons and open slopes exhibited low dominance and high evenness, at 1000m, though diversity was generally lower in open slopes. At this depth, communities presented higher relative abundances of carnivorous and omnivorous. On the other hand, dominance was higher at 3400m for all canyons, with Nazaré and Setúbal showing more dominated communities than Cascais, mainly because of the great abundance of surface deposit feeders and sediment deposit feeders. Regarding density, Nazaré and Setúbal canyons presented higher values, with a maximum at intermediate depths, while mean individual biomass was greater in Cascais. Variability in species composition and community structure are related to the source and distribution of particulate organic carbon which is the major food source for the benthic assemblages in the studied canyons. In conclusion, our results showed that the different areas analysed presented different patterns regarding polychaete assemblages, reinforcing the idea of canyons as individual systems with particular features and communities.
description: Mestrado em Biologia Marinha
URI: http://hdl.handle.net/10773/771
appears in collectionsBIO - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado
PT Mar - Dissertações de mestrado

files in this item

file description sizeformat
2008001759.pdf1.69 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2