DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Biologia > BIO - Dissertações de mestrado >
 Infecção fúngica em doentes queimados
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/7690

title: Infecção fúngica em doentes queimados
authors: Simões, Lara Rute Nunes Vilar
advisors: Almeida, Adelaide
Cabral, José Luís de Almeida
keywords: Biologia
Doenças infecciosas
Fungos patogénicos
Agentes antifúngicos
Queimaduras - Reabilitação
issue date: 22-Dec-2011
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: A incidência das infecções fúngicas tem vindo a aumentar progressivamente nas duas últimas décadas. Na Unidade de Queimados o doente está mais susceptível ao desenvolvimento de processos infecciosos por perda da barreira de protecção cutânea, pela imunossupressão associada à queimadura, bem como pela necessidade de utilização de dispositivos invasivos e pela presença da microbiota local. As leveduras do género Candida, nomeadamente C. albicans, continuam a ser responsáveis pela maioria das infecções fúngicas em ambientes hospitalares, embora na última década se tenha assistido a um aumento da incidência de espécies não-albicans e de fungos filamentosos. O desenvolvimento de fármacos antifúngicos é complicado, uma vez que as células fúngicas, opostamente às células bacterianas, e à semelhança das humanas, são eucarióticas, o que pode levantar problemas relacionados com a sua toxicidade potencial. Este estudo teve como objectivo analisar a importância da infecção fúngica nos doentes queimados na Unidade de Queimados, dos Hospitais da Universidade de Coimbra. As leveduras do género Candida foram os fungos mais frequentemente isolados com a espécie Candida albicans, presente em 65% dos doentes infectados. Das espécies não-albicans, Candida parapsilosis e Candida tropicalis foram as mais frequentes (15% e 9%, respectivamente). Para além de Candida, o segundo fungo mais comum foi o género Trichosporon (4,4%) seguido do género Aspergillus (2%). Durante o período de estudo observou-se um aumento na frequência da infecção fúngica, que esteve associada a uma taxa de mortalidade de cerca de 38% nos doentes infectados. Queimaduras profundas, queimaduras causadas pelo fogo e internamento hospitalar prolongado contribuíram para um maior risco de infecção por fungos nos doentes queimados. A infecção fúngica ocorreu maioritariamente em doentes do sexo masculino (54,7%), afectando mais frequentemente a classe etária dos 71-90 anos. A incidência crescente de infecção fúngica nos doentes queimados e a presença relativamente frequente dos fungos emergentes, Trichosporon e Aspergillus, indicam que o controlo da infecção nos doentes queimados é fundamental.

The incidence of fungal infections has increased steadily in the last two decades. In the Burn Unit, the patient is more susceptible to infectious processes due to the loss of the protective barrier of the skin, to the immunossuppression associated with burns, to the need for use of invasive devices and to the increased virulence of the local microbiota. The yeasts of Candida, namely C. albicans, remain responsible for the majority of fungal infections in hospitals, although in the last decade has witnessed an increased incidence of non-albicans species and filamentous fungi. The development of antifungal drugs is complex, since the fungal cells, unlike the bacteria and like the human cells, are eukaryotic, what may raise some concern related to its potential toxicity. The objective of this study was to evaluate the importance of fungal infection in the patients of the Burns Unit of Coimbra University Hospitals. Yeasts of the genus Candida were the most frequently isolated fungi, with the species Candida albicans, present in 65% of the infected patients. Of non-albicans species, Candida parapsilosis and Candida tropicalis were the most frequent ones (15 and 9%, respectively). The genus Trichosporon (4,4%) was the second most common fungus isolated in these patients followed by the genus Aspergillus (2%). During the study period there was an increased frequency of fungal infection that was associated with a mortality rate of 38%. The depth of the burn, burns caused by fire, and a prolonged stay in the hospital contributed to an increased risk of fungal infections in burned patients. The fungal infection occurred mostly in male patients (54,7%), affecting more frequently the age group of 71-90 years. The increasing incidence of fungal infection in burned patients and the relatively frequent presence of emerging Trichosporon and Aspergillus fungi, indicating that control of infection in burned patient is essential.
description: Mestrado em Biologia Aplicada
URI: http://hdl.handle.net/10773/7690
appears in collectionsBIO - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

files in this item

file description sizeformat
246284.pdf1.44 MBAdobe PDFview/open
Restrict Access. You can Request a copy!
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2