DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Secção Autónoma de Ciências da Saúde > CS - Teses de doutoramento >
 Estudo epidemiológico sobre a saúde de estudantes universitários
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/4238

title: Estudo epidemiológico sobre a saúde de estudantes universitários
other titles: Epidemiological study about health of university students
authors: Brandão, Maria da Piedade Moreira
advisors: Cardoso, Maria Margarida da Fonseca e Castro
Pimentel, Francisco Maia
keywords: Epidemiologia
Alunos do superior
Estilos de vida
Doenças crónicas
Doenças cardiovasculares
issue date: 2010
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: Os factores de risco nos adultos jovens são fortes preditores da incidência de doença cardiovascular e mortalidade na idade mais avançada. Em Portugal, desconhecem-se estudos que avaliem os factores de risco para as doenças crónicas, em jovens adultos, na transição do ensino secundário para o universitário. Este estudo pretendeu contribuir para a promoção do conhecimento dos determinantes sócioculturais e ambientais no diagnóstico e detecção de factores de risco para as doenças crónicas, nomeadamente as doenças cardiovasculares, em estudantes universitários. Teve como objectivo principal a investigação do efeito da vida académica nos factores de risco modificáveis, estilos de vida e determinantes da saúde. Teve como objectivos específicos identificar a(s) prevalência(s) dos factores de risco cardiovascular numa população universitária, a identificação dos intervalos de referência para a homocisteína total no soro de adultos jovens portugueses, a determinação do perfil lípidico, comportamentos de saúde e dieta alimentar de tipo mediterrânico entre os estudantes universitários de acordo com o género e a área científica de frequência e a avaliação longitudinal do impacto da exposição à vida académica no estado de saúde dos estudantes universitários Participaram no estudo 781 estudantes sendo a média de idades de 20,6. Os factores de risco estudados para as doenças crónicas, foram o hábito tabágico, a pressão arterial, o índice de massa corporal, a composição do sangue (lípidos, homocisteina e glicose), a alimentação e a actividade física. O estudo mostra que a prevalência de: sedentarismo é significativamente mais elevada nos rapazes (p<0,001); dislipidemia e a hipertrigliceridemia é significativamente mais elevada nas raparigas. Mais de um quarto dos estudantes tem colesterol elevado sendo a hipercolesterolemia significativamente mais elevada nas raparigas (p<0,001); a hipertensão verificou-se em ambos os sexos (6,0%) mas foi significativamente mais elevada nos rapazes (p=0,001). O estudo identificou o intervalo de referência para a homocisteína em adultos jovens portugueses independentemente do sexo (6,2 a 11,6 μmol/) sendo que, acima de 11,6 μmol/l é condição para vigilância médica em populações jovens adultas. Quando se estudou a exposição à vida académica comparada com aqueles que acabaram de entrar na universidade, verificou-se uma associação significativa no que respeita às concentrações de lípidos no sangue, à pressão arterial sistólica e à actividade física, tendo sido as raparigas aquelas que mais se afastavam dos padrões saudáveis (p<0,001). No que respeita à adesão à dieta mediterranica, não foram encontradas associações entre este tipo de alimentação e os vários factores de risco independentemente do género. Os resultados forneceram, evidências empíricas acerca da importância da detecção dos principais factores de risco na idade adulta (jovem) na prevenção das doenças cardiovasculares e vieram corroborar as orientações do Plano de Desenvolvimento Estratégico do Instituto Nacional de Saúde Português para as doenças crónicas, nomeadamente o estabelecimento de valores de referência nacionais para análises biológicas e as orientações do Plano de Acção Estratégica Global para a Prevenção e Controle das Doenças Não-Transmissíveis-2008/2013 da Organização Mundial de Saúde.

Risk factors in young adults are strong predictors of the incidence of cardiovascular disease and mortality in older age. This study aims to increase the knowledge of sociocultural and environmental determinants in the diagnosis and detection of risk factors for chronic diseases, including cardiovascular diseases, in university students. Its main aim was to investigate the effect of academic life in risk factors, lifestyles and health determinants. The objectives were: 1) to identify the prevalence of cardiovascular risk factors in a university population, 2) to identify the reference intervals for total homocysteine in the serum of young Portuguese adults, 3) to determine the lipid profile, the health related behaviour and the Mediterranean-diet of students according to gender and to scientific area of study and 4) to perform a longitudinal evaluation of the impact of academic exposure on students health. A total of 781 students with a mean age of 20.6 participated in this study. The risk factors for chronic diseases studied were smoking habits, blood pressure, body mass index, blood composition (lipids, homocysteine and glucose), food intake and physical activity. The study shows that the prevalence of inactivity is significantly higher in males (p <0.001), while the prevalence of dyslipidemia and hypertriglyceridemia was significantly higher in girls (p <0.001). More than a quarter of students had high cholesterol levels and hypercholesterolemia was significantly higher in girls when compared to boys (p <0.001), hypertension occurred in both sexes (6.0%) but was significantly higher in males (p = 0.001). The study identified the reference range for homocysteine in young Portuguese adults (6.2 to 11.6 μmol/), regardless of gender and that, above 11.6 mmol / l is a prerequisite for surveillance in young adults. When evaluating the impact of academic life, there was a significant association between time of exposure to academic life and the concentrations of blood lipids, systolic blood pressure and physical activity. This association was gender-dependent with girls showing a statistically significant change when compared to boys. (p <0.001). There was no association between the type of Mediterranean diet and any of the risk factors studied. These results provide empirical evidence about the importance of detecting major risk factors in adulthood (young) and the need to target this age group with preventive campaigns, which is in accordance with the guidelines of the Strategic Development Plan of the National Institutes of Health Portuguese for chronic conditions namely biological references values to Portuguese population, and the guidelines of the Strategic Action Plan for Global Strategy for the Prevention and Control of Noncommunicable Diseases-2008/2013 of the World Health Organization.
description: Doutoramento em Ciências da Saúde
URI: http://hdl.handle.net/10773/4238
appears in collectionsUA - Teses de doutoramento
CS - Teses de doutoramento

files in this item

file description sizeformat
Tese_MariaPiedadeBrandão_2010.pdf3.37 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2