DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Secção Autónoma de Ciências da Saúde > CS - Dissertações de mestrado >
 Perfil terapêutico e risco de interacções medicamentosas nas pessoas idosas
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/3294

title: Perfil terapêutico e risco de interacções medicamentosas nas pessoas idosas
authors: Reis, Susana Catarina Domingos dos
advisors: Pimentel, Francisco Luís
keywords: Gerontologia
Pessoas idosas
Terapêutica
Medicamentos
issue date: 2009
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: Actualmente vivemos numa sociedade envelhecida, na qual a ascensão da Medicina e das novas terapêuticas farmacológicas assumem um papel de relevo. Neste âmbito, estudos realizados a nível internacional, apontam para o aumento exacerbado do consumo de medicamentos pelas pessoas idosas e consequente aumento do risco de interacções medicamentosas. Perante estes factos, e pela escassez de estudos ao nível da realidade portuguesa, desenvolveu-se este trabalho com o objectivo de caracterizar o perfil terapêutico, prévio ao internamento, das pessoas idosas internadas no Serviço de Neurologia 2 dos Hospitais da Universidade de Coimbra e avaliar o risco de interacções medicamentosas. A metodologia utilizada baseou-se numa abordagem quantitativa, sendo este estudo descritivo-correlacional. Para o processamento de dados recorreu-se ao programa informático LEXI-INTERACT® e ao SPSS® 16.0. Assim, a amostra é constituída por 68 pessoas idosas, 57,4% do sexo feminino, com idade mínima de 65 anos e máxima de 97 anos. Relativamente ao perfil terapêutico, em 50% dos casos é a própria pessoa que prepara a medicação e foram encontrados um mínimo de 0, um máximo de 16 e uma mediana de 5 medicamentos por pessoa. Quanto ao conhecimento geral sobre os medicamentos, 54,4% da amostra não possui qualquer tipo de informação relativa à sua medicação, 70,6% nunca ouviu falar de interacções medicamentosas e 80,9% não sabe o que essa expressão significa. Foram encontrados 153 medicamentos diferentes, zero interacções do tipo X, 23 interacções do tipo D, 135 interacções do tipo C, 42 interacções do tipo B e 5 interacções do tipo A. Num dos casos não foi encontrada correspondência no Lexi-Interact® para nenhum dos medicamentos. Em 20 casos não se verificou nenhuma interacção. Quando se tratam os dados relativos ao conhecimento específico de cada pessoa idosa sobre a sua terapêutica, constata-se que 76,9% do nome dos medicamentos é conhecido, sendo que em 50,6% dos casos a finalidade também é conhecida. Quando se recorreu ao coeficiente de correlação de Spearman, não foi encontrada relação estatisticamente significativa entre o número de prescritores e o risco de interacções medicamentosas. Pelo contrário, encontrou-se uma associação positiva estatisticamente significativa ao nível 0,01 entre a quantidade de medicamentos e o risco de interacções do tipo D, C e B. Daqui se infere que quanto maior a quantidade de medicamentos, maior o risco de interacções medicamentosas. Das principais conclusões deste estudo salienta-se a importância emergente do uso racional e correcto dos medicamentos, bem como a informação adequada sobre medicamentos e interacções medicamentosas, com vista à maior qualidade de vida das pessoas idosas. ABSTRACT: Nowadays, we live in an aged society, in witch the arousal of Medicine and of the new pharmacological treatments assume an important role. In this context, international studies point out the increased drug intake by the elder, and the consequent increased drug interaction risk. As so, and as there are few studies related to the Portuguese reality, this investigation aims to characterize the drug profile, before hospitalization, of the elder hospitalized in Neurology 2B Ward, in Coimbra University Hospital, and to evaluate drug interaction risk. The methods used in this descriptive-correlational investigation are based on a quantitative approach. LEXI-INTERACT® and SPSS® 16.0 were used in data processing. The sample is made of 68 elder, 57,4% are women, with minimum age of 65 years old and maximum of 97 years old. In what concerns drug profile, in 50% of cases the subject prepares its own medication and were found a minimum of 0, a maximum of 16 and an average of 5 drugs per subject. About general knowledge on medication, 54,4 % of the sample don’t have any information about drugs consumed, 70,6% never heard of drug interactions and 80,9% don’t know what it means. In this study were found 153 different drugs, zero X interactions, 23 D interactions, 135 C interactions, 42 B interactions and 5 A interactions. In one case there was no correspondence in LEXI-INTERACT®. In 20 cases, no interaction was found. When studying the specific knowledge of the elder about their own medication, in 76,9% of the cases the name of the drug is known, and in 50,6% the porpoise is also known. By using Spearman correlation coefficient, no statistically significant relation was found between the number of prescribers and the drug interaction risk. Although, there is a statistically significant positive association, in a 0,01 level, between the number of drugs and the drug interactions risk type D, C and B. this findings lead to infer that the more medicines the elder consume, the bigger is the drug interactions risk. The main conclusions of this study reveal the growing importance of the rational and proper use of medications, and of the adequate information about medicines and drug interactions, aiming the best quality of life in elder.
description: Mestrado em Gerontologia
URI: http://hdl.handle.net/10773/3294
appears in collectionsCS - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

files in this item

file sizeformat
2009000968.pdf519.69 kBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2