DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial > DEGEI - Dissertações de mestrado >
 Turismo e política de turismo no concelho de Espinho
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/1605

title: Turismo e política de turismo no concelho de Espinho
authors: Couto, Helder Fernando de Oliveira
advisors: Leite, Joaquim da Costa
Costa, Carlos
keywords: Política de turismo
Desenvolvimento do turismo
Estratégia empresarial
Gestão do turismo
Poder local
issue date: 2008
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: Espinho é uma das terras que em Portugal “nasceu” mais cedo para o Turismo, sendo considerada uma estância balnear de referência a partir da segunda metade do séc. XIX. O Turismo é assim, uma realidade indesmentível em Espinho, contudo, existirá uma política para o Turismo no Concelho de Espinho capaz de captar todas as sinergias, envolver todas as entidades em torno de objectivos e estratégias delineadas para o sector? Ao mesmo tempo, existirão esses mesmos objectivos e estratégias definidas que, sejam do conhecimento público e generalizado? Estas são as questões às quais esta dissertação pretende dar resposta. Partindo da análise histórica do Turismo no Concelho de Espinho, na busca de evidências de actividade turística desde os tempos mais remotos, aprofundamos o estudo do sector do Turismo no Concelho de Espinho de forma a melhor o conhecermos, e por fim, recorrendo a entrevistas, foi possível auscultar os principais agentes económicos deste espaço territorial, no que se refere aos pontos de vista de cada um e de todos sobre a temática em estudo, tentando diversificar na selecção dos entrevistados, de forma a não criar resultados tendenciosos. Desta investigação, concluiu-se não existir Política do Turismo no Concelho de Espinho, pois para isso não basta existirem vontades, mas sim fundamentalmente têm de existir objectivos concretos e claros que, sejam do conhecimento público e que originem a definição de uma estratégia que, estabeleça uma orientação comum para todos os agentes turísticos, com vista à prossecução dos objectivos e metas inicialmente estabelecidas. ABSTRACT: Espinho is one of the places where tourism was first “born” in Portugal and it was considered a holiday resort of reference from the second half of the XIX century. Tourism is thus an undeniable reality in Espinho. However, can we speak about a policy for tourism in Espinho Municipality, able to capture all the synergies, to involve all entities, around objectives and strategies outlined for the tourism sector? Are those objectives and strategies known to the public? These are the issues to which this Master dissertation’s is intended to answer. Based on historical analysis of tourism in Espinho, we searched evidences of touristic activity in the past, we deepened the study of the tourism sector in Espinho in order to know it better, and finally, we used interviews, to hear the main economic agents of Espinho, as the way to know the views of each one and all, about the subject under study, trying to diversify and not create tendentious results. In this research, it was concluded that there is no policy for tourism in Espinho, because individual wills are not enough, there must be clear and concrete objectives/targets, and public awareness of those objectives, leading to a strategy to establish a common orientation for all touristic agents, in order to achieve the stated objectives and targets.
description: Mestrado em Gestão e Desenvolvimento em Turismo
URI: http://hdl.handle.net/10773/1605
appears in collectionsDEGEI - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

files in this item

file description sizeformat
2009000004.pdf2.53 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2