DSpace
 
  Repositório Institucional da Universidade de Aveiro > Departamento de Educação > DE - Dissertações de mestrado >
 Família e educadores de infância : representações de género
Please use this identifier to cite or link to this item http://hdl.handle.net/10773/1095

title: Família e educadores de infância : representações de género
authors: Rocha, Fernanda Martins
advisors: Pedro, Ana Paula
keywords: Sociologia da educação
Psicologia social
Psicologia do comportamento
Papel social
Identidade sexual
issue date: 2009
publisher: Universidade de Aveiro
abstract: As diferenças entre os sexos tem merecido algum destaque na sociedade, em geral, e nos meios de comunicação, em particular, tal como foi evidente em Portugal, nas questões da liberalização do aborto, e na introdução para debate da lei do número mínimo de mulheres no parlamento português. No entanto, as diferenças entre sexos têm sido utilizadas para justificar as desigualdades que o papel feminino e masculino ocupam na sociedade actual (Poeschl & Serôdio, 1998, cit por Poeschl et al, 2004:365). Desde o início do século XX, com os trabalhos de Freud, têm-se vindo a estudar e propôr várias teorias nas áreas de psicologia, sociologia e antropologia que ajudam a explicar a formação da personalidade consoante se é homem ou mulher. As perspectivas sobre a construção de género, principalmente, as que surgiram nas últimas duas décadas, “foram fortemente influenciadas pelas correntes feministas” (Vieira, 2006:45), bem como pela sociedade pós-moderna. Os preconceitos de género começam a ser construídos a partir da primeira infância, pela influência exercida pelos pais, mas também, pela escola e pelos grupos sociais, e, posteriormente, pelos grupos profissionais e ideológicos, os quais também se afirmam cruciais na construção de preconceitos (Bühler, 1980:370). Mas, apesar das grandes transformações sociais que ocorreram no mundo ocidental, principalmente após a Primeira Grande Guerra (1914-1918), ainda se verifica um grande desfasamento entre a teoria (leis) e a prática, respeitante aos papéis masculinos e femininos que a sociedade preconiza (Thébaud, 1991; Wall, 2007). Assim, a presente investigação parte do pressuposto científico de que as crianças de 4/5 anos, frequentadoras de jardins-deinfância públicos do Distrito de Aveiro, já possuem consciência da divisão de género, bem como de estereótipos e preconceitos e que essa percepção lhes advém, sobretudo, do contexto familiar (Bühler, 1980; Kagan, 1964 cit por Vieira, 2006), a qual pode vir a ser perpetuada, ou não, quando colocadas em confronto com o contexto escolar. Ao longo, desta investigação, realizamos uma pesquisa documental, e aplicamos inquéritos aos pais e educadores de infância e entrevistas aos avós, com o objectivo de aferir as representações sociais de género que estes possuem, o que nos permitiu constatar que não existe um esbatimento dos estereótipos e preconceitos de género ao longo dos tempos, principalmente no que se refere às representações sociais dos educadores de infância e pais. Os avós, embora com uma posição mais liberal em relação às questões de género do que os restantes intervenientes deste estudo, deixam transparecer, ainda, uma representação estereótipada. ABSTRACT: The differences between sexes have been in the limelight of society in general and the media, in particular. That was evident in Portugal with issues such as the liberalization of abortion and the introduction for debating the Act of the minimum number of eligible women in Portuguese Parliament. However, gender differences have been used to justify inequalities on the roles women and men play in society today (Poeschl, 2000; Poeschl & Serôdio, 1998, cit by Poeschl et al, 2004:365). Since the beginning of the twentieth century, main with Freud scientic work, several theories have been debated/proposed in Psychology, Sociology and Anthropology in order to explain the development of personality, depending on being male or female. The outlooks on the construction of gender, especially those which appeared in the last two decades, “…were strongly influenced by feminist principles/ currents” (Vieira, 2006:45) and postmodern society. Gender prejudices start being built since an early childhood through the influence exerted by parents, school, and social groups and, later, by ideological or professional groups, who turn to be crucial in developing prejudice (Bühler, 1980:370). Despite the huge social changes which have occurred in the western world, mainly after the First World War (1914/18), there is still an enormous gap between theory (law) and practice towards male and female roles advocated by society (Thébaud, 1999, Wall, 2007). Thus, this research work assumes beforehand the scientific assumption that four and five-year-old children who attend state-run kindergarten in the District of Aveiro are already conscious and aware of gender division as well as stereotypes and prejudices. This perception stems especially from the family context, which may be perpetuated, or not, when faced with the school context. Throughout this research we did a documentary work, carried out a survey to parents and teachers as well as an interview to grandparents, aiming to assess social representations of gender we have come to the conclusion that there is a blur of gender stereotypes and prejudices through the time, mostly when referring to social representations of pre-school teachers and parents. Grandparents, albeit with a more liberal perspective towards gender issues, in comparison with other intervenients in the study, still reveal a stereotyped representation.
description: Mestrado em Ciências da Educação - Formação Pessoal e Social
URI: http://hdl.handle.net/10773/1095
appears in collectionsDE - Dissertações de mestrado
UA - Dissertações de mestrado

files in this item

file description sizeformat
2009001220.pdf2.07 MBAdobe PDFview/open
statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! RCAAP OpenAIRE DeGóis
ria-repositorio@ua.pt - Copyright ©   Universidade de Aveiro - RIA Statistics - Powered by MIT's DSpace software, Version 1.6.2